Festa à brasileira

Foto: Chris McGrath/Getty Images

O 5 de agosto de 2016 entrou para a história do Brasil. Foi o dia do maior evento já realizado por aqui. E foi espetacular! A Cerimônia de Abertura da Rio 2016 arrebatou o público de cerca de 4 bilhões de espectadores. Sem a pretensão de ser a maior da história e superar Pequim 2008, a nossa cerimônia deixou Londres 2012 no chinelo. De bom gosto, soube apresentar o país com maestria e se permeou pelos valores olímpicos, algo pouco explorado nas aberturas anteriores.

Foto: Reuters

E exatamente por isso a escolha por Vanderlei Cordeiro de Lima para acender a pira foi precisa. Em Atenas 2004, ele comemorou como criança o bronze, após ser atrapalhado pelo padre irlandês invasor na busca por um ouro que parecia certo. Quer mais espírito olímpico que isso?

Foto: Jamie Squire/Getty Images

O samba e o Carnaval desfilaram no templo sagrado, o Maracanã. Paulinho da Viola, expoente da minha Portela, cantou o Hino Nacional. Mais que justo! Na música, além da MPB, vimos novos nomes da música representando os estilos populares, a voz do morro, a voz das negras e a voz dos cariocas. Manifestações culturais de vários cantos do país também estavam ali, pro mundo inteiro ver.

Foto: Reuters

Nossa história foi contada sem pudor. Não escondemos a vergonha da escravidão. Mas ostentamos, orgulhosos, a criação da aviação, a natureza, a beleza da mulher brasileira, a cultura indígena e nossa hospitalidade com os estrangeiros. Aproveitamos o tamanho do evento e fizemos um apelo pelo meio ambiente e pela tolerância. Abrimos as portas para os refugiados. E mostramos que, aqui, as diferenças já convivem há tempos. 516 anos, mais exatamente.

Foto: Cameron Spencer/Getty Images

Inovamos ao fazer os atletas participarem da festa; ao semear uma nova floresta durante a Cerimônia; ao criar duas piras com movimentos telecinéticos e ao deixar uma delas fora do estádio, no meio do povo; e ao continuar com o revezamento da tocha mesmo com a pira já acesa. Enfim, mostramos ao mundo quem somos com maestria. Se o “jeitinho” brasileiro é viver com toda essa alegria, apesar dos pesares, viva o “jeitinho”.

Foto: Rio 2016

De braços abertos, o Cristo abençoou a Cerimônia. Agora, serão mais 16 dias de esporte no mais alto nível e a certeza de que começamos muito bem! Seja bem-vinda, Família Olímpica! O mundo cabe aqui.