Vinte e dois anos de publicações libertárias e clássicos de intervenção.

13 Followers
·
Follow

CATÁLOGO

No mundo em que outros povos e formas de vida eram vistos pela Europa em expansão como selvagens, o negativo e a ausência definem os indígenas como selvagens sem cultura, política ou religião

Por Fábio Zuker, na introdução de Em rota de fuga (2020)

Image for post
Image for post
Gordon Matta-Clark, Splitting (1974)

Horror vacui, o horror ao vácuo, ou o medo do vazio, é um dos princípios estéticos estruturantes do barroco e do rococó. Nenhum espaço vazio, sem preenchimento por imagens e desenhos pode existir. Linhas, traços, curvas e imagens devem ocupar, carregar, tornar o espaço cheio, repleto, maciço, apinhado, opressivo. Como traço estético, a história da arte está repleta de páginas acerca de sua origem céltica, islâmica, bizantina ou mesmo viking.

Mas foi ao longo do século XVII que o horror vacui tornou-se mais influente, senão mesmo preponderante, na produção artística da Europa Ocidental. Sempre me pareceu curioso que esse conceito estético tenha se desenvolvido concomitante à expansão colonial europeia com a estabilização dos impérios ultramarinos de Portugal e Espanha. Nada mais significativo, nesse sentido, do que a produção de mapas do período, em que todo espaço “vazio” é preenchido por textos, imagens de seres imaginários, de sereias, de monstros ou de animais exóticos. …


NARRATIVAS DA ESCRAVIDÃO

Em conversa sobre a coleção Narrativas da Escravidão, o historiador Tâmis Parron e o psicanalista Tales Ab’Saber refletem sobre as origens do racismo estrutural no Brasil e defendem que a acumulação do tempo mercantil escravista foi decisivo para a formação do capitalismo moderno

Por Marcelo Pinheiro

Image for post
Image for post
Anderson e Minerva Edwards, que compõem um dos 204 relatos do livro Nascidos na escravidão: depoimentos norte-americanos (Editora Hedra, 2020)

Principal destaque entre os últimos lançamentos da editora Hedra de setembro, a coleção Narrativas da Escravidão chega ao leitor brasileiro em momento agudo de discussão sobre a herança nefasta da escravidão como força motriz de perpetuação da cultura do racismo em pleno século XXI.

A reação popular de indignação contra a morte de George Floyd, ex-segurança de 46 anos, assassinado por asfixia mecânica durante abordagem feita na noite do último dia 25 de maio por Derek Chauvin, policial branco de Minneapollis, em Minnesota, foi estopim do movimento Black Lives Matter. …


AYLLON

O projeto nasce a partir do nome de Solomon Ayllon, homem do século XVII, que não poderia ser facilmente classificado como uma figura religiosa ou secular

Por Suzana Salama

Image for post
Image for post
Última página do livro "Puerta de cielo", de Abraham Cohen Herrera

Ayllon foi chacham (sábio, em hebraico חכם) — ou rabino, de acordo com a tradição sefardita — das congregações de Londres e Amsterdã durante século XVII. E embora tenha sido um religioso de posições polêmicas, não poderia ser classificado simplesmente como talmudista ou secular. Seguiu Sabatai Tzvi (1626–1676), mas não por longo tempo. Casou-se com uma mulher informalmente divorciada, o que o levou a escrever uma carta aberta e polêmica sobre o assunto. …

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store