Princípio 06— Plenitude

MANUAL DE DISCIPULADO 2

Avivamento e Reforma

___________________________________________________________________

Atravessando A Fronteira Da Promessa

"E contaram-lhe, e disseram: Fomos à terra a que nos enviaste; e verdadeiramente mana leite e mel, e este é o seu fruto." — Números 13:27

A vontade de Deus para nossa via é boa, perfeita e agradável. Se alguma área de sua vida está ruim, imperfeita e desagradável, então você ainda não está vivendo a plenitude da vontade de Deus pra você (nessa área de sua vida).

E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus. — Romanos 12:2

Se você refletiu sobre isso sabe que ainda tem áreas na sua vida nas quais você ainda não está vivendo em plenitude, saiba que você não está sozinho. Muitas pessoas ainda não estão vivendo a plenitude da vontade de Deus em algumas áreas de suas vidas. Muitos ainda não estão vivendo a Promessa, mas como o povo de Israel em sua peregrinação, vivem em uma realidade de deserto.

Os israelitas experimentaram a provisão de Deus no deserto. Todos os dias Deus enviava o maná e os sustentava. Mas esse não era o destino que Deus havia planejado para Israel. O maná deveria ter sido somente a provisão misericordiosa de Deus durante o curto período de deserto. O plano de Deus era que o seu povo atravessasse o deserto em 40 dias e chegasse logo à terra da promessa. Contudo aquela geração descrente peregrinou por 40 anos no deserto e ali morreu, sem nunca experimentar o melhor de Deus, sem nunca entrar na Promessa.

Muitas pessoas ainda vivem assim hoje, como uma geração incrédula no deserto, recebem o maná, recebem a provisão, mas não entram na promessa da plenitude.

De vez em quando eu ouço alguém contando um "testemunho" de como tinham que pagar uma conta para a qual não tinham dinheiro mas, na última hora, Deus enviou a provisão. Contam isso com tanto orgulho, com o coração cheio de gratidão. Contudo eles falham em entender que são vítimas de sua própria falta de fé e que não estão vivendo a vida abundante prometida por Deus (João 10:10). Infelizmente há muitas pessoas vivendo no deserto e só porque recebem o maná, a provisão, consideram isso uma grande bênção e motivo de celebrar. O deserto não é lugar de celebração, é lugar de luto. Deus nos permite passar pelo deserto para crescermos, amadurecermos e nos prepararmos para o tempo da unção e da abundância da Promessa.

No deserto Deus dava o maná para que o povo não passasse fome, mas o destino que Deus havia planejado para seu povo era Canaam, uma terra com abundância de leite e mel. Uma terra onde a provisão não cairia do céu mas viria da honra do trabalho, da semeadura e da colheita. Muitos "crentes" hoje continuam vivendo com uma mentalidade de deserto, esperando Deus mandar o suficiente para pagarem suas contas, quando o convite de Deus é para sairmos do Deserto e entremos na Promessa onde fazemos nossas tendas como Paulo fez, onde seremos carpinteiros, como Jesus foi, onde teremos a honra de contribuirmos com nossos talentos para a sociedade, onde semearemos e colheremos em abundância, não somente para atender nossas necessidades, mas para podermos também abrir empresas e gerar empregos, onde teremos recursos transbordantes para cuidarmos também dos pobres, dos órfãos, das viúvas e dos necessitados (Tiago 1:27). Mas como você vai poder ser usado por Deus para cuidar dos necessitados se você mesmo é um deles?

O PÃO NOSSO DE CADA DIA

Muitas pessoas interpretam mal o que Jesus quis dizer com "o pão nosso de cada dia dai-nos hoje…" (Mateus 6:11). Eles pensam que Jesus está dizendo que Deus vai, como no tempo do povo de Israel no deserto, nos dar novamente o maná a cada dia. Mas não é esse o contexto, não é isso que Jesus está ensinando. Veja como Jesus começa o texto que leva até a oração do "Pai Nosso":

"Guardai-vos de fazer a vossa esmola diante dos homens, para serdes vistos por eles; aliás, não tereis galardão junto de vosso Pai, que está nos céus." — 
Mateus 6:1

Repare que Jesus está ensinando como devemos cuidar dos pobres. Jesus começa o discurso partindo da premissa de que temos dinheiro para dar esmolas aos necessitados. Jesus não está falando com necessitados, está sim, ao invés disso, nos ensinando como cuidar dos pobres. Então quando Jesus menciona "o pão nosso de cada dia" Ele não está falando de ficarmos à toa, contentes com um estado de pobreza, esperando que alguém nos traga o pão na boca como o povo de Israel que esperava o maná no deserto. Pão é fruto de trabalho. Veja que Jesus não disse "o maná de cada dia" nem "a manga de cada dia" ou "a goiaba de cada dia" nos dá hoje. Jesus falou de pão. E como é que conseguimos pão? Pão nasce em árvores? Claro que não. É Deus quem faz pão? Não! Pão é fruto de trabalho. Deus ama o trabalho. Até Deus trabalhou e continua trabalhando até hoje (Êxodo 20:11). Deus deixa claro, ao inspirar o Apóstolo Paulo para ensinar que quem não trabalha não deve ser sustentado pela Igreja:

"Porque, quando ainda estávamos convosco, vos mandamos isto, que, se alguém não quiser trabalhar, não coma também" — 2 Tessalonicenses 3:10

A Terra da promessa é um lugar de frutos sim, mas frutos que vem do resultado do trabalho de nossas mãos. Deus fará a parte dele, nos dará saúde, fará nascer o sol sobre nós todos os dias, nos colocará em uma terra fértil e cuidará de nós. Da mesma forma devemos fazer a nossa parte, devemos semear e trabalhar com todas as ferramentas e oportunidades que o Pai abrir diante de nós.

A Terra da Promessa é uma terra de trabalho, mas não trabalho escravo. Deus não quer que você viva para enriquecer a outros e sim que você entre na promessa da vida abundante que Ele tem para você.

DECLARAÇÕES

  • Eu vou viver a plenitude da boa, perfeita e agradável vontade de Deus em todas as áreas da minha vida;
  • Eu declaro que terei sempre mais do que o suficiente para prover não somente para mim e para minha família mas também para abençoar a muitos;
  • Eu declaro que vou entrar na Terra da Promessa e viver uma vida abundante em todos os níveis;

Deus te abençoe,

Ed Rocha