Tudo bem errar…

Queria compartilhar um evento tanto que raro na minha vida, deve ser a primeira vez que acontece comigo nesses 25 anos de vida. Pode parecer algo pequeno, sem muita importância, mas que para mim foi um desafio e tanto.

Em qualquer amizade minha nunca tive muitos conflitos, sempre preferi evitá-los. Até mesmo em minha família não haviam muitos, a nossa relação era do tipo ‘vamos fingir que nada aconteceu’, e acho que inconsequentemente fui levando todas minhas situações de conflitos assim.

Há alguns dias atrás tive um desentendimento com um amigo muito importante para mim; não apenas um amigo, mas um parceiro com quem aprendo muita coisa. Um indivíduo diferenciado, alguém para se admirar. Sabe aquela pessoa que extrai o melhor de você? Então, não é sempre que se tem pessoas assim ao seu lado — então quando as tiver, valorize-as.

‘Não poder errar’

Essa questão eu queria escrever porque é algo cultural, desde nosso nascimento aprendemos que errar é ruim, assim fomos criados. Sempre se almejou a perfeição e se rejeitou o defeito. Sempre se valorizou o sucesso e se negou a falha. Ou seja, NÃO PODEMOS FALHAR!

Assim fui criado e então para mim sempre foi absurdamente difícil encarar uma falha, não sabia como lidar. Um erro para mim era como o fim do mundo! Pode parecer exagero mas eu não conseguia enxergar que aquilo poderia se consertar — Ou muito menos que podemos aprender algo com isso, porque não é o que nos foi ensinado; nos foi ensinado a evitar o erro.

Ironicamente, foi por conta desse meu amigo que ano passado aprendi a importância da falha; e foi com ele consegui aplicá-la pela primeira vez na minha vida. Pela primeira vez na minha vida não me condenei, enxerguei que haviam alternativas, e o mais importante, consegui repará-lo.

Sempre que falhava com meus amigos, me decepcionava comigo mesmo, me afastava e depois de um tempo tudo estava bem. Dessa vez primeiro me conscientizei do meu erro, o aceitei, me perdoei e assim consegui prosseguir.

Foi uma surpresa muito grande quando recebi a resposta do meu amigo. Sempre fui acostumado à essa condenação à falha, então para mim foi muito diferente ouvir um:

“Não, tudo bem. Todos nós erramos e jamais terminaria uma amizade por um motivo tão pequeno. Grandes amigos às vezes se desentendem, isso é normal. Ninguém é perfeito, todos nós temos qualidades e defeitos”.

Foi a primeira vez que alguém falou algo do tipo para mim. Não apenas questão de compreender o lado do outro, mas de aceitar que as pessoas falham. Acredito que assim estou começando a enxergar que tudo bem falhar às vezes e isso não é o fim do mundo.

Nós falhamos, não somos perfeitos. Falha não é negativa, é um aprendizado.

E assim vou repetindo para mim, sempre.

BORA ERRAR!

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Edson Takiishi’s story.