Visite a galeria de imagem do Rafael Medeiros.

Resumo da Aula 1 do Curso On-line de Filosofia (COF)

O Curso de autoria do Professor Olavo de Carvalho vem sendo oferecido desde 14 de março de 2009, data em que foi ministrada a primeira aula. Quase 10 anos depois, acreditem, o curso ainda continua ativo.

As aulas ao vivo vão ao ar às noites de sábado e podem ser assistidas por alunos por meio da internet, com interação via chat.
 
Pelo preço mensal de 60 reais, pode se ter acesso a 446 aulas em vídeo ou áudio, com conteúdo de valor inestimável. Também estão disponíveis exclusivamente aos alunos dezenas de apostilas com textos de apoio, estudos e transcrições de 224 aulas. 
 
Após ter ouvido 130 aulas nos últimos 12 meses, não faço ideia do que vem pela frente. Sei apenas que um mundo novo se descortina diante de mim. 
 
O Professor do COF é tranquilo, tem sempre uma serenidade confiante na voz e irradia cultura e sabedoria. Nas aulas ele quase não fala palavrões como nos trechos descontextualizados de suas falas do True Outspeak, aleatoriamente disponibilizados por caça níqueis no youtube. Pelo contrário, a densidade do Olavo ao longo do curso de filosofia tem como pano de fundo uma visão profundamente religiosa, teísta e cristã, construída não a partir puramente da fé, mas da razão, da realidade e de décadas de estudos intelectuais de alto nível sobre as mais diversas áreas do conhecimento humano. 
 
Considero ser muito difícil ter disponibilidade de tempo para fazer um curso como o COF. A minha experiência tem sido de baixar os áudios no celular para ouvir durante as caminhadas diárias que faço de casa para o trabalho. Por enquanto estou me permitindo apenas ouvir, sem anotar, simplesmente tentando identificar e assimilar as principais mensagens transmitidas, como se fosse uma leitura diagonal de um livro com mais de 10 mil páginas. 
 
Sigo em frente todos os dias e pretendo continuar assim até consumir cada palavra dessa Aula Magna Colossal. Um dia sonho em ter tempo para pesquisar as milhares de referências e ler todos os livros citados. Enquanto isso vou caminhando literalmente passo a passo em busca da Verdade. 
 
A primeira aula do COF apenas descreve as linhas gerais do curso e menciona que o ideal seria assistir a aula ao vivo, depois ouvir a gravação e em seguida ler a transcrição. Ele recomenda que os alunos tenham um caderno do curso para anotar o conteúdo resumido e as próprias ideias dos alunos. 
 
Depois de várias recomendações, como a de que os alunos assumam a responsabilidade de fazer todo o curso, com duração prevista, à época, de 4 ou 5 anos, o Professor elogia a iniciativa de pessoas que se dispõem a estudar filosofia sem a expectativa de obter diploma ou emprego na área, mas por genuíno amor ao conhecimento.

Em seguida, o professor passa o primeiro exercício obrigatório, o Necrológio: o aluno deve supor que morreu e assumir o papel de um amigo que o conheceu em vida para descrever uma breve narrativa de toda a sua vida, supondo que fora atingido integralmente o sonho de ser o que gostaria de ter sido.

Ao avisar que o curso todo seria inspirado na pessoa de Sócrates, o Professor define a filosofia como “a busca da unidade do conhecimento na unidade da consciência, e vice-versa”. Olavo comenta que a primeira filosofia (a de Sócrates) consistia na análise da sociedade em geral sem deixar de considerar a própria posição social dos filósofos nessa sociedade, como uma espécie de coerência entre a filosofia e a vida real. 
 
O professor cita com admiração o trabalho do filósofo alemão radicado nos EUA Eric Voegelin (1901–1985), que analisava a situação política de sua época a partir da experiência real dos seres humanos. Essa capacidade de considerar a experiência real nas interpretações filosóficas e científicas infelizmente teria sido totalmente abandonada pela academia atualmente.

Nesse contexto, Olavo também cita o filósofo alemão Eugen Rosenstock-Huessy (1888–1973) igualmente radicado nos EUA, que teria sido incompreendido naquele País por sua multidisciplinariedade e capacidade de analisar a sociedade a partir da posição social dele mesmo e dos seus alunos. 
 
Nessa esteira, Olavo menciona conversa dele com um amigo sobre Nietzsche, filósofo que, apesar do inegável talento, não teria dominado a técnica filosófica, que consiste em converter conceitos gerais em experiência existencial efetiva, e vice-versa.

São citados positivamente nessa primeira aula o livro Confissões de Santo Agostinho, os filósofos brasileiros Mário Ferreira dos Santos e Vicente Ferreira da Silva, Stanislavs Ladusans, o professor Miguel Reale, José Mário Pereira, Herberto Sales e o embaixador José Osvaldo de Meira Penna.

Na contramão da boa prática científica e filosófica, Olavo declara que nos últimos vinte ou trinta anos a cultura superior no Brasil teria sido destruída. 
 
De maneira bastante enfática o professor atribui a responsabilidade para a retomada da Alta Cultura aos alunos do COF! 
 
Enfim, o foco aqui é passar uma ideia geral do COF e um pequeno resumo da primeira aula para que fique o gostinho de quero mais. Acredito que todos devemos buscar aprimoramento pessoal e espiritual e o COF é uma fonte inesgotável.