Natimortos

Quero sofrer,

lastimar lembranças sórdidas.

Quero então rir,

admirando feições mórbidas

-

Quero existir

num passado feliz

me redimir

-

Queria nunca sequer existir

pois somos natimortos,

consegue sentir?

-

Estou farto do Nada

deste infame saber

copiosas tragédias

risadas forçadas,

malditas comédias.

-

Não quero mais gritos

mentes vazias, supersticiosas

enganam-se em seus ritos.

-

Não quero vê-la sofrer

partir assim, sem perceber

mas nesta vida

fomos feitos

para perecer.

**

Eduardo Furlan

Melancolia Poética