Qualquer caminho serve?

Desde que a gente nasce, a gente cresce , se torna “adulto”, quem continua tomando as decisões por a gente? Todo mundo, menos nós mesmos.

Somos acostumados, desde pequenos, aos outros tomarem as decisões por a gente (Nossos pais, escola, tios, avós, primos, etc… )

Talvez pela incapacidade e imaturidade da idade. Ou talvez não, idade hoje em dia é bem relativo.

Talvez seja um padrão mesmo que muitos ainda não tem consciência. Que é o padrão do externo guiar nossas vidas.

E esse padrão de não ter o hábito de tomar decisões, de deixar os fatores externos guiarem nossas vidas,gera muita ansiedade, angústia e stress, que muitas vezes sentimos, mas não entendemos o real motivo dessas emoções negativas.

A verdade é que nós somos as decisões que tomamos.

As decisões que eu tomo hoje, constrói um pedaço do meu futuro. Eu não tenho como prever o meu futuro, ele é imprevisível, mas, se eu comer saudável hoje , amanhã com certeza estarei mais saudável e até mais magro.

É simples. 2+2 = 4.

Se somos criados por alguns padrões que não estimulam o auto-conhecimento e a tomada de decisões em nossas vidas, provavelmente, ficaremos com a sensação de estarmos perdidos na vida. Pois não saberemos o que queremos e nem qual decisão tomarmos diante das situações de nossas vidas.

Por isso que a escolha do vestibular é bem difícil, lembro que eu queria exercer 9 profissões! Rs. Mas que na verdade não é difícil, só não temos o hábito de tomar decisões. E ainda assim, nessa decisão do vestibular, que deveria ser pessoal, muitos ainda seguem as decisões externas e passam a seguir o que os outros querem que ela seja e não de fato quem ela quer ser.

Quando não criamos o hábito de se questionar, de se auto-conhecer, de tomar decisões, ficamos presos a isso e a vida vai nos levando. É muito daquilo: para quem não sabe onde vai, qualquer caminho serve. E ai surge a frustração, ansiedade, vazio e muitas vezes até depressão.

E qual a melhor forma de lidar com isso?

É sair do externo e focar no interno. Sair das decisões e opiniões externas e começar um trabalho profundo de auto-conhecimento, através de questionamentos, para que você decida a sua vida e não fique dependente do que os outros querem que você seja, para que você não vá para qualquer caminho mas sim para o caminho que o seu coração diz, que sua intuição fala para você seguir.

Praticar consistentemente questionamentos como:

. O que meu coração está dizendo?

. Se não existisse ninguém opinando sobre a vida, como eu gostaria de viver?

. O que eu gostaria de me tornar? O que eu gostaria de ajudar?

. Como eu gostaria de estar vivendo daqui a 10 anos?

. Qual caminho a minha intuição diz para eu seguir?

. O que eu quero para minha vida?

. Quais são os meus sonhos?

E através desses questionamentos e muitos outros que estimulam o auto-conhecimento é treinar e encarar isso como um novo hábito, ao fazer isso consistentemente, passamos a assumir o controle dos nossos desejos, das nossas ações e do que queremos para a nossa vida.

Fica mais claro o caminho que queremos seguir, por mais imprevisível que seja. Seu coração e sua intuição já sabem.

É só desapegar do externo e focar no interno. Que no caminho da intuição, qualquer caminho serve.