Quando comecei a falar com o coração.

Foi um dia como os demais.

Porém algo de grandioso ocorreu em meu interior, encarei quem eu sou e agi com a fala do coração. Foi como um nó desatado.

Fiquei nervoso de início, acelerou o coração, fiquei um pouco engasgado, mas logo fluiu.

Havia um tempo, após me trabalhar internamente, com leituras, meditações e sabendo minha verdade eu sabia que deveria começar a falar com meu interior, sem me preocupar com o que os outros pensariam.

Não deveria me importar com o que os outros pensavam de mim, jamais faltando o respeito com ninguém, mas respeitando minha essência. Ou seja, encarando meu eu verdadeiro.

Primeiramente pensei que iria desagradar certas pessoas… pensava nos outros, em minha família etc.

O que iam pensar de mim?

Mas investiguei e percebi que os outros são o que eu penso deles, um reflexo de metade de minha mente. Uma ilusão na qual achava que o que pensavam estava relacionado diretamente a mim. Mas não, cada um pensa seu mundo, está muito preso em seus próprios pensamento, pois então, já não levava para o lado pessoal certas coisas.

Mas o que foi que aconteceu quando comecei a me despir do ego, das carapuças, das camadas ?

Nada do que pensei, ou seja, tudo ficou melhor, meu espírito agradeceu a mim, fiquei mais inspirado. Fiquei um criador com iniciativa, fiquei mais autêntico.

É claro que desagradei algumas pessoas, mas não desagradei a elas especificamente, e sim a um ego, e não é nada pessoal. É me respeitar antes de mais nada.

Falar com o coração é o que há de mais bonito, o medo impede, mas investiguemos o medo, de onde ele vem. Confiemos na verdade, atendamos nosso SER, assim haverá liberdade.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.