#Coimbra170 Dia 025

Quinta, 06/10/16

Acordei em cima da hora. Fui pra aula no laço. Quando pego o 24T na hora que a aula está começando.

Tudo ia relativamente bem, até que o ônibus para. O motorista levanta indignado. Diz que não aguenta mais e que não vai mais trabalhar com “aquele cheiro”. Estava no final do ônibus, então não entendi. O que se passava, pelo que ouvi as pessoas comentando, é que alguém literalmente, parece piada, mas não é, cagou num dos bancos do autocarro.

Sai pela porta dos fundos, não fiz questão de averiguar. Demorou cerca de alguns minutos até que viesse outro e embarcássemos.

Cheguei na faculdade: não encontrei a aula. Esperei meia hora, falei com um funcionário do prédio. Estava na hora certa na sala que deveria ser a aula.

Ou seja, fui à toa. Voltei de autocarro e desci na parada próxima as ruas principais, aproveitei e fui em uma loja chinesa.

Precisava urgentemente comprar uma manteiga de cacau ou algo similar. Comprei um protetor labial por 1€. Lá também comprei cadernos por 0.60€. Lindos, de capa preta lisa, minimalista mesmo. As linhas eram cinzas, do jeito que eu gosto.

Nesta loja finalmente encontrei um aromatizador de ambientes do aroma que queria, no preço que aceitei pagar. Aromatizador de baunilha por 0.95€. Já que não posso transformar a casa, preciso fazer do meu quarto um lugar mais aconchegante.

Dei continuidade a maratona consumista quando comprei uma capinha de celular nova. A que uso não comporta os cabos que tenho, e o que tenho que ia com a capa que usava já está pela hora da morte. Comprei uma capinha de 1.5€, de acrílico, silicone, sei lá, transparente. Agora já estou usando um cabo USB com dignidade.

Ainda passei no mercado e comprei limões, dentre outras coisas. Pressenti a gripe vindo e investi na vitamina C.

Assim que cheguei em casa não fiz nada exceto procrastinar. Os meninos iam sair, mas não tava a fim. Fiz algumas flexões, estou voltando a este costume. Daí foi banho e jantar e cama.