#Coimbra170 Dia 028

Domingo, 09/10/16

Acordei sem ressaca. Vinho bom é outra história.

Levantei da cama, fiquei enrolando pra fazer as coisas, mal tomei café.

Decidi ir ao MultiBanco, que é como se fosse um banco 24h, alterei a senha do cartão. Agora não sou mais obrigado a me submeter a senha ridícula que é dada no cartão.

Voltei pra casa, almocei, falei com a família, eles tomavam café da manhã no domingo. Céus, isso me fez falta.

A cena é que eu realmente os amo muito, e sei disso. O que faz a distância ser baita ingrata as vezes.

Poderia ser pior, eu poderia nunca me dar conta de tudo o que sinto. Deus me livre.

Almocei um bom macarrão com queijo e chouriço, assisti um episódio de Easy no Netflix.

Bateu um soninho, o tédio já tinha batido fazia algum tempo. Cochilei.

Acordei as 17, pela primeira vez dormi a tarde aqui em Portugal. Quando vi, tinha uma mensagem: “Hoje o jantar será na Marta! As 20h! Leve um vinho se puder.”

Era a deixa pra salvar meu domingo. Dei um pulo no mercado, comprei um vinho na promoção. É inacreditável o quanto os vinhos de 1€ são bons.

Chegando lá, o jantar acabou sendo na Anna. A Marta fez abobrinha recheada com pra lá de 6 vegetais e queijo. Tava bom, mas a lasanha da Anna ainda era imbatível.

Elas tiveram um papo muito “pode crer” e falando de espírito, astral, karma, etc.

Quem me fez companhia foi a coelha. Impossível não se apaixonar. Espero que a Britinha não leia isso.

Depois do jantar a Anna fez um brownie. Comi dando gritos de aleluia. A garota não poupa despesas. Alias, não poupa mesmo, ela é carioca e estuda aqui em Coimbra, pelo que fala e pelos bens, tem realmente muita grana.

Fomos pra Sé, fiquei lá de papo até as 1 até que as pessoas começaram a ir embora. Também fui.

Cheguei em casa, conversei um pouco com a Fernanda e com o Renan e apaguei.