Você ainda pode torcer pelo Brasil

É extremamente sabido pela população brasileira que o país é conhecido internacionalmente por características únicas como mulheres bonitas, o maior carnaval do mundo e o amor incondicional ao futebol — e é aí que as coisas fogem de entendimento, por que o que eles não sabem é que este trabalho nos está custando cerca de 30 bilhões de dólares, e isso é mais do que as três últimas copas juntas, que somaram em torno de 25 bilhões, de acordo com a Revista Veja.

Dessa maneira, em um país onde muitas e muitas pessoas passam fome todos os dias, outras acabam morrendo em filas de hospitais precários. Uma nação estagnada na 85ª posição do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) há anos, uma nação onde pode-se alcançar picos de 25% analfabetos, 45% terminam sequer o ensino básico. É esse o país que precisa de mais estádios?

Não é só isso. Com todos os preparativos para a copa e novas construções, muitas pessoas foram simplesmente despejados dos seus lares de maneira extremamente violenta, como foi o caso dos moradores do Morro da Providência, no Rio de Janeiro, onde as casas foram simplesmente marcadas, fazendo com que esse ato fosse o modo o qual sua expulsão fosse anunciada. O ressarciamento recepcionado torna-se drasticamente inferior aos gastos anteriores nas localidades influenciadas pela Copa, tornando necessário o afastamento sem rumo dos residentes.

Alguns políticos acreditam que eventos grandes como a Copa do Mundo são incentivos para que o país avance para o melhor. Mas e todos os impostos que foram pagos desde sempre? E então esse dinheiro arrecadado é utilizado para construir estádios e é esperado que essa seja a solução que todos esperavam para ter uma vida melhor? Bom, não podemos negar que sim, o Brasil se tornou foco do mundo inteiro nesse meio de ano, que muitos turistas estrangeiros estão gastando mais, melhoria na mobilidade urbana, segurança, aeroportos e estruturas de turismo — mesmo que, infelizmente, muitos sequer sairam do papel ou ainda não foram concluídas (apenas 41% do planejado foi concluído no prazo) –, surgiram empregos para construção de estádios, mas ao tratar da vida cotidiana do cidadão brasileiro, isso é algo temporário. Grande parte desse dinheiro arrecadado durante a Copa do Mundo vai diretamente para a FIFA, então talvez m lojista tenha um lucro maior nesse mês, mas tudo volta a ser o que era antes.

Com base nessas informações, ainda surge a barreira de elitização dos estádios e dos ingressos para os jogos da Copa. Tanto com novas construções, como com reformas (Maracanã), o acesso aos jogos será muito mais caro, e não só durante o evento. Jogos comuns que giravam em torna do valor de R$50,00 triplicaram sem mais nem menos.

Voltando em 2007, quando foi anunciado que o Brasil seria a sede do evento em 2014, a CBF estimou um gasto menor de 3 bilhões de reais, o que na realidade encerrou por mais de 9 bilhões. Se verimicarmos a análise da KPMG, 10 dos 20 estádios mais caros do mundo estão no Brasil. O que condiz até mesmo a definição de não se ater apenas a 8 estádios, como exigencia inicial da FIFA, e chegando a um total de 12 distribuídos em cidades desprovidas de times tradicionais do futebol.

Além do mais, o mundo não é feito apenas de pessoas boas. Recentemente, a UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) tem removido os criminais das favelas do Rio de Janeiro, mas essas seria uma solução definitiva? Não, trata-se de uma solução temporária para um problema muito mais sério. E afinal, o que vem junto com festas e diversão? Incremento ao tráfico de drogas e violência, seja sexual ou não, contra jovens e mulheres, principalmente. E isso é algo que com certeza é agravado durante o evento. Os criminais simplesmente ainda estão por aí.

Agora, não pode acabar em samba. Torcer pelo país na Copa não significa estar a favor da realização do mesmo ou das impunidades que vieram junto. Desde as manifestações de Junho do ano passado, algumas pessoas atrelaram todo e qualquer problema no país à frase de efeito “não vai ter Copa”. Nesse momento tornou-se algo “divertido” torcer contra e comemorar todo e qualquer erro da seleção, por exemplo, nas redes sociais. A satisfação e o orgulho de ser brasileiro deve ser retratado nesse evento de harmonia e união de todos os países. Você ainda pode torcer pelo Brasil, se as coisas forem feitas propriamente de agora em diante. Estamos em período de festa, e a Copa está aí.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Eduardo Guerra’s story.