Arte de Francesco Francavilla baseada no filme Chappie

Sobre máquinas, humanos, design e dados de seis lados

Um exercício de design de jogos analógicos passo-a-passo.

Tenho pensado já faz um bom tempo sobre projetar jogos, sobretudo analógicos, uma vez que me falta o conhecimento necessário para programar jogos eletrônicos, cheguei mesmo a esboçar alguns RPGs ao descobrir que havia uma cena de design de jogos indies significativa no país, embora ainda não tão numerosa dada a própria popularidade do hobbie. Antes um exercício de criatividade do que um produto rentável a ser desenvolvido, mas guardaremos estes comentários sobre a cena de RPGs Indie para outra hora, no momento me deterei apenas em apresentar uma ideia para um desses jogos analógicos, um RPG de ficção científica cuja ideia já passeia na minha cabeça faz algum tempo, embora somente agora tenha reunido vontade necessária para leva-la adiante.

Trata-se de um jogo cujos personagens assumidos pelos jogadores são robôs, IAs autônomas “vivendo suas vidas” como qualquer ser humano, em sociedade, cumprindo funções, enfrentando riscos, assumindo metas, desejando ser melhores, consumindo recursos e estabelecendo vínculos uns com os outros. Máquinas como nós também somos diariamente com todas as exigências que nos são feitas no dia-à-dia.

As ideias vieram de vários lugares, elas foram se aglomerando e ainda não sei bem qual será o resultado quando executa-las, porém é certo que compartilharei o processo com vocês, as referências entre livros, jogos analógicos e digitais, filmes, quadrinhos e o que quer que seja usado também fará parte deste acervo de histórias que inicio aqui, tudo feito com o incentivo de cumprir metas para um concurso de criação de jogos lusitano o RPGenesis (que você pode pesquisar clicando no link ao lado), uma iniciativa independente para o fomento à produção de novos jogos, também o ultimo impulso que tive para por a mão na massa.

Desde já agradeço aqueles que leram este informe e os que acompanharão os artigos seguintes, convido-vos a participarem para construirmos essa ideia juntos. Um grande abraço à todos.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.