S14E43

Queria falar sobre ervilhas

Esta semana comprei uma bandeja de ervilhas no mercado.

Correto, bandeja; não lata, nem pote. Ervilhas ainda em seu… casulo? É vagem que se diz?

Comprei por impulso. Pela lembrança dos hotéis fitness na Dinamarca que, em vez de bolachinha (biscoitinho, pra você que não sabe o nome certo) nos serviam palitos de cenoura, pepino e… ervilhas?

Já não sei!

Talvez vagens — de outro tipo. E, portanto, sem sabê-lo, também não sabia como prepará-las…

As ervilhas, não as vagens. Ou as ervilhas em suas vagens, que não eram as vagens de antes.

Lembro que eram crocantes. Cruas? Definitivamente, não cozidas… demais. Flambei-lhas… não… branqueei-as… não? Botei-as numa panela com água salgada e cozinhei-as lá por uns minutos, suficientes pra dar um gostinho (não ferveram). Crocantes! Docinhas! Levemente salgadinhas, também. Ervilhas (em seus casulos-vagens) “bipupilares”!

Enquanto as triturava com os dentes e enquanto o aparelho dos dentes tentava salvar-lhes algumas entre seus ferrolhos, eu refletia sobre as vagens-casulos. Como úteros, protegendo seus bebês que, dormentes, não fazem ideia do mundo que os aguarda aqui fora…

Das dificuldades de penetrar à terra. Da inconstância das águas. Do espaçamento das sementes. Se há muito ou pouco sol. As plantas invasoras. A ameaça dos pés distraídos, dos parasitas, dos coelhos, dos dentes com ou sem aparelhos… Refletia sobre o tempo em que as baby peas têm que enfrentar até fortalecerem-se em árvore e então sustentarem-se com as próprias pern… caules.

Árvores??

Xi, não! Estão mais pra arbustos… Trepadeiras, de fato: suporte é sempre, a vida toda, necessário para que se firmem.

Em outra página vejo que lhe chamam (as vagens, não as ervilhas) de “favas”.

Às favas, pois, com as vagens, os bebês e os úteros, a proteção e o suporte para além do viável!

Que eu preciso cuidar da minha alimentação.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.