Uno, dos, tres… catorce!

Conto até 10 ou até 12?

Hoje usamos o sistema de contagem decimal, e o próprio Sistema Internacional de Unidades tem base decimal. Mas nem sempre foi assim, e ainda hoje existem grandezas que são contadas em base duodecimal (base 12). A medição de tempo é um bom exemplo. O dia tem vinte e quatro horas, e cada hora tem 60 minutos ou 3600 segundos. Não é difícil perceber que a base de contagem é o doze e não o dez. Mas por que é assim?

Tudo indica que o sistema duodecimal começou lá na Antiguidade, com os sumérios. Mas se os sumérios tinham dez dedos como todo mundo, por que não contavam as coisas com base no número dez, como fazemos hoje? É que eles tinham um jeito peculiar de contar: eles moviam o polegar da mão direita sobre as falanges dos outros quatro dedos. Cada dedo tem três falanges, então era possível contar até doze em uma mão. Já a mão esquerda era usada para contar quantas mãos direitas tinham sido completadas na contagem. Cinco dedos da mão esquerda vezes doze falanges da mão direita, e temos o número sessenta, até hoje usado como base de contagem para medidas de arcos e ângulos, além de tempo!

É claro que existem explicações mais pragmáticas, como o fato de o número sessenta ser divisível por um, dois, três, quatro, cinco e seis, o que facilitava os cálculos. Além disso, o ano solar tem doze ciclos lunares. Seja como for, essa antiga herança dos sumérios permanece até os nossos dias nas contagens comerciais e sempre que comprarmos uma dúzia de qualquer coisa nos lembraremos deles.

Mas se é verdade hoje que contar de 10 em 10 nos é muito direto e natural, o 12… não parece mais orgânico, ainda que nos remeta principalmente a ciclos de tempo, em vez de fisiologia?

A decidir, pois: esperar mais 5 ou 7 meses. Talvez o primeiro, pra evitar mais um clichê.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.