Resumo de um diário (ocasionalmente) pessoal

Pelo que vi, as manhãs serão sempre preguiçosas: o despertador faz papel de mãe e te chama quantas vezes for possível até você levantar com a cara inchada. Dias sem arrumar o cabelo, dias atrasado, dias com a meia pé de um, pé de outro.

Ao descer as escadas e sair do prédio, a Nove de Março já dá bom dia mais lotada do que nunca. Dias céu cinza (quase todos), dias sol, dias chuva. O terminal é lotado de pessoas se empurrando para conseguir um lugar no ônibus e todo mundo é tão corrido que, se duvidar, passam em cima de você e não param para ajudar. O que me safa é ser bem distraído e ao mesmo tempo gostar de observar ~certas coisas~.

Na nossa casa, a Bagaça, tudo continua gostoso. Cada dia mais ela vira nosso pequeno ninho confortável. Moramos entre amigos já faz mais de dois anos e somos muito parceiros. A lista de tarefas na porta da cozinha é certeira e bota cada um cumprir algo todo dia. A sala é nosso ponto de encontro, mas também rola reuniões nos quartos. É filme, série, músicas, clipes e conversas que não acabam mais. Os dramas, os desabafos e a novela de cada um ~fora os amigos de fora~. Fora Temer.

A gata tá por aqui me rodeando, como sempre. Ela só toma água na torneira do banheiro e aprendeu a reclamar se a ração que sobra no pote perder o cheiro. Ela dorme com um, com outro, preocupa todos nós: é nossa filha.

Eu? Eu tô bem, tô zen. Levo meu dia a dia de boa. Trabalho, estudo, me entretenho das maneiras que gosto. Tenho meus dramas, meus planos e minhas vontades. Amo meus amigos, minha família, de quem tenho saudades todos os dias, e escrevo com o maior prazer do mundo. Eu penso, eu sofro: eu vivo.

Estarei por aqui caso queira saber dos meus dias ~que são iguais os seus dias~. Sei que o que muda são nossos pontos de vista.

Eu tô de pijama. A casa de repente ficou silenciosa. Logo mais é 23h30 e eu acabo essa jornada por aqui. Espero que fiquemos todos bem. Foi um prazer estar com você. Nos vemos daqui um tempo. ~me conte sobre seu dia~ Boa noite e grande beijo.

A single golf clap? Or a long standing ovation?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.