Divulgação científica ou crueldade animal?


Como as coisas que crescem rápido demais acabam saindo do controle e caindo muito de qualidade.

Exemplo: a página do Facebook I fucking love science.

Quando era apenas a criadora, Elise, quem cuidava da sua atualização, a I fucking love science tinha toda sorte de posts interessantes. Mas a página cresceu vertiginosamente e Elise teve que contratar uma equipe para atualizá-la. Nisso, a qualidade das postagens também caiu bastante.

Ontem descurti a página por causa de um post específico. Era um vídeo de uma cobra que foi decapitada e a cabeça mordia o próprio corpo, ambos ainda em movimento.

O post da discórdia

Bom, o que justificaria a presença de um vídeo desse numa página sobre divulgação científica? Na minha opinião, o compartilhamento de um vídeo tão violento só seria justificável se a I fucking love science se propusesse a explicar como uma cabeça decapitada ainda é capaz de morder e como um corpo sem cabeça parece reagir à dor.

Mas é claro que o post não explicou nada disso. Apenas compartilhou o vídeo com um comentário do tipo “nossa, olha que loucura”.

Melancólico perceber que uma das mais interessantes páginas de ciência do Facebook está fazendo glorificação de crueldade animal.

Adeus, I fucking love science.