“Quem não conhece seu passado caminha no escuro.”

Não vejo as raízes, profundas que estão, entrelaçadas, dando firmeza ao chão onde piso. Mas eu as sei. Não haveria segurança no passo, não fosse por elas. Troncos elevados, vista conduzida ao alto. Para cima e, ainda assim, curvando-se quando necessário. Desse modo, os galhos e, então, suas folhas e mais adiante, seus frutos. Nunca somos apenas sementes. Estamos em toda parte, pois somos parte de tudo.