Incompatibilidade

Sabe, eu nunca soube lidar muito bem com você. Eu não entendo o que as pessoas tem que enxergam algo positivo e em minutos ficam “felizes” por poderem descansar nos seus braços.

Você entrou na minha vida relativamente cedo, e fez dela uma confusão que eu não sei explicar direito até hoje. Não suporto dizer o seu nome, olhar para o seu rosto ou então enfrentar as consequências que você traz.

É difícil explicar o vazio que você me deixou naquele final de tarde, que mudou boa parte de mim. Demorei a acreditar que você estava ali, talvez meses, anos. Só fui olhar nos teus olhos e encarar que aquilo era verdade depois de 5 ou 6 anos passados.

Desculpe se eu não sei lidar. Desculpe se eu não entendo como isso funciona e nem tenho interesse em saber. Eu simplesmente não consigo aceitar o fato de que de repente aquilo não está mais ali, sem aviso, sem motivo, simplesmente acabou.

Tem dias que é difícil acordar e encarar essa realidade. Claro, eu tenho 22 anos e não deveria sofrer tanto por isso, deveria ser mais maduro e menos emotivo, não deveria estar romantizando essa situação e muito menos com os olhos embaçados de lagrimas ao digitar. Mas eu preciso jogar isso pra fora, ao menos tentar expressar um pouco o que você causa em mim. Por que se eu não tentar fazer isso eu posso ficar louco.

Eu lembro da última vez que nos encontramos como se fosse ontem. Era dia das mães, eu devia ter meus 15/16 anos(desculpe a imprecisão), você não precisava fazer isso, não tinha uma razão. Eu ainda sinto aquele mesmo cheiro, aquela arrumada no cabelo e o cuidado e carinho que ela tinha por mim. Mas então você chegou e já era, já não tinha mais nada daquilo, simplesmente acabou.

E hoje de novo, bate em minha porta. E eu, frágil, deixei você entrar e fazer a festa.

Diante de tantas horas pensando, tantos dias se perguntando o porque de tudo isso. Eu entendi que você é inevitável, infelizmente.

E creio que não vou aprender a lidar, não tão cedo.

Ao menos o que hoje me conforta, é que aprendi que de algum jeito as pessoas que você encontra ainda permanecem por perto, mesmo que seja em pensamento.

Você sim, é o meu maior pesadelo. Pois você ainda entra sem pedir licença e mexe com a minha cabeça.

In Memoriam: N.M.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.