O verdadeiro valor do Software Livre

Como foi possível notar na mídia ao longo das últimas semanas, o governo brasileiro anunciou a substituição de aplicações Software Livre por soluções privadas. Dentre as compras realizadas estão as licenças para a utilização do Microsoft Windows, Microsoft Office, Windows Server, além de outros produtos.

Vi muitos comentários na internet argumentando que essa é uma sábia decisão, pois agora, funcionários públicos serão mais produtivos por utilizarem ferramentas que já são “conhecidas” por todos. Sem contar, obviamente, nas dezenas de menções aos “problemas que o Software Livre representa para o usuário”. Mas o verdadeiro custo dessa troca vai muito além do que a mídia e os comentários do Facebook nos dizem.

Software Livre

Para que um aplicativo possa ser considerado Software Livre, é preciso que respeite quatro liberdades básicas. A primeira delas diz que esse aplicativo poderá ser executado como você desejar, para qualquer propósito; a segunda, que qualquer pessoa pode estudar o funcionamento do código e adaptá-lo às suas necessidades; a terceira, diz respeito à liberdade de transferir e copiar esta aplicação para outras pessoas; e por fim, a liberdade de distribuir cópias de suas versões modificadas a outros, beneficiando toda a comunidade com suas contribuições.

Alguns famosos exemplos de aplicações livres são o sistema operacional GNU Linux, em suas mais diversas distribuições (Debian, Fedora, Ubuntu, entre tantas outras), a suíte de aplicativos para escritório LibreOffice, o editor de imagens GIMP e tantos outros. Todos eles cresceram e foram adotados por milhares de usuários de forma livre e gratuita, mantidos por voluntários espalhados ao redor do mundo, responsáveis por realizar traduções, desenvolvimento de novas funcionalidades e correções de problemas.

Segurança e Privacidade

Usar aplicações proprietárias, especialmente as que envolvem qualquer grande corporação, faz com que informações estratégicas estejam a um clique de distância de instituições privadas interessadas no perfil do consumidor e até mesmo do governo de outros países. Um exemplo são os recorrentes casos de exposição pública de e-mails institucionais ao redor do mundo.

A ausência de criptografia já relatada em outros escândalos de vazamento de informações no Brasil, só mostra o quanto os mais altos escalões estão totalmente vulneráveis e despreparados para lidar com problemas relacionados a segurança digital.

Por na maioria dos casos se tratar de aplicações com o código-fonte aberto, o uso de Software Livre representa uma camada que é digitalmente transparente para quem gerencia a tecnologia da informação. Isso permite impedir os riscos de que código malicioso será executado remotamente nos computadores, até mesmo possibilita o governo de modificar, adequar e proteger informações da melhor forma possível.

E esses são exatamente os motivos de que não só o governo deveria evitar o uso de software proprietário (que é fechado, não transparente e produto de grandes corporações com interesses próprios, especialmente financeiros), mas também nós como usuários domésticos de tecnologia.

Investimento de Dinheiro Público

Desenvolver aplicações não é algo barato, envolve muita mão de obra, equipamento, experiência e recursos humanos, sendo assim isso é refletido no custo final ao consumidor, seja ele o governo, pessoa física ou jurídica.

Isso normalmente não é muito bem recebido pela população em geral, porque ninguém paga pelo sistema que usa, exceto quando é obrigado, pirataria se encontra em cada canto do Brasil. Quantas vezes você mesmo já pagou por uma aplicação que usa, seja no seu computador, smartphone ou tablet?

Software Livre é software de qualidade, desenvolvido por pessoas que investem seu tempo e conhecimento com o intuito de criar tecnologia aberta, que possa ser utilizada e modificada, seguindo uma filosofia que vai muito além da tecnologia. O processo de desenvolvimento é transparente, tudo é disponibilizado para quem queira ver, livre de custo e pode ser auditado pela comunidade 24 horas por dia em busca de erros ou vulnerabilidades.

O governo brasileiro por décadas funcionou utilizando Software Livre, será que todo esse repentino investimento em tecnologia privada, que não gera valor ao país e que não contribui com nosso desenvolvimento, é algo para onde queremos direcionar o dinheiro público? Sendo que esse mesmo dinheiro que poderia estar sendo investido em capacitação de profissionais para desenvolver tecnologia própria, brasileira e de qualidade.

Falta de Capacitação

Argumentar e tentar me dizer que a culpa da falta de produtividade no funcionalismo público se dá devido ao Software Livre é a piada mais sem graça que o Brasil já viu em todos os seus anos de existência.

Dizer que Software Livre é difícil de usar, é o mesmo que me entregar um atestado de que você não é capaz de ler pequenas mensagens de texto e clicar em botões. É declarar que você está tão condicionado à sua zona de conforto, que não é capaz de usar algo diferente. Já está na hora de aprender que nem tudo que aparece na tela do seu computador é o Microsoft Windows.

Computador é uma ferramenta como outra qualquer, o sistema que ele opera é apenas algo que faz com que funcione. Operar o computador é dever do profissional que está executando a sua tarefa, esteja ele rodando GNU Linux, Microsoft Windows, ou qualquer outro. É parte do processo aprender como fazê-lo.

Não é tão diferente assim escrever e formatar um documento de texto no LibreOffice ao invés do Microsoft Office, a única diferença é no valor pago. Desembolsar o salgado valor da licença de utilização do produto é algo que nos faz pensar. Além, é claro, do nosso pensamento rotineiro e condicionado, que resiste às menores mudanças, sejam elas quais forem, desde o sistema operacional utilizado no seu computador até o simples editor de texto para o dia-a-dia.

Está na hora de pararmos de achar que o nosso computador só funciona com o Microsoft Windows e que a internet é apenas o Google, sair da zona de conforto e evoluir. Não estamos mais na era da máquina de escrever, o mundo está mudando rápido e precisamos estar preparados.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.