Consumo de orgânicos traz benefícios para a saúde e meio ambiente

Por Elisa Whately

Produção de orgânicos traz benefícios à saúde e ao meio ambiente / Foto: Elisa Whately

O consumo de alimentos com agrotóxicos ou o contato direto com eles está relacionado a várias disfunções. Segundo Fernanda Bassan, nutricionista especialista em nutrição funcional, essa prática pode interferir no sistema imunológico, na regulação hormonal e na produção e ação de neurotransmissores cerebrais. “Algumas doenças podem estar associadas a esses mecanismos alterados, por exemplo cânceres, desordens neurológicas (doença de Parkinson, depressão), alergias, doenças autoimunes (lúpus, artrite reumatoide, hipotireoidismo autoimune), diabetes e até a própria dificuldade de perder peso pode ter relação”, detalha Bassan.

Estudos recentes, publicados pela Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), revelam a situação alarmante da saúde pública devido ao uso de agrotóxicos. No Brasil, por exemplo, são usados ao menos 22 produtos banidos em outros países. O resultado é a intoxicação de trabalhadores rurais, que muitas vezes trabalham sem a proteção necessária, e a presença de resíduos cancerígenos em alimentos, na água e na biodiversidade.

O pimentão e o morango são os alimentos mais contaminados por agrotóxicos. O ranking foi elaborado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), com base no Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA).

Confira mais alimentos e a porcentagem de contaminação de cada um na tabela:

Bassan afirma que infelizmente não existe nenhuma forma de retirar os agrotóxicos dos alimentos. “A retirada da casca até pode amenizar, mas o produto também está na parte interna”, explica a nutricionista. Ela ainda alerta para ineficácia de outras estratégias que as pessoas costumam fazer, como deixar os vegetais no vinagre para a remoção do pesticida. Mas, Fernanda acredita que se pudermos reduzir ao máximo a exposição aos agrotóxicos, consumindo orgânicos, nós estaremos protegendo melhor o nosso corpo e cuidando da saúde.

Segundo dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), os alimentos orgânicos são produzidos, sem adição de substâncias químicas, através de mecanismos que preservam as qualidades nutricionais originais e o meio ambiente, usando adequadamente recursos naturais, como o solo e a água.

A agricultura orgânica teve início na década de 1970, quando pesquisadores e cientistas tomaram conhecimento da prática. A partir de estudos, o cultivo dos orgânicos ganhou o importante reforço da tecnologia, que até os dias de hoje é um dos elementos indispensáveis, aliada na produção de alimentos, evitando que pragas e doenças ataquem as lavouras e contaminem os seres vivos.

O Brasil é um dos países com maior potencial para o crescimento da produção orgânica, devido aos diferentes tipos de solo e clima, conforme relatório da Federação Internacional de Movimentos de Agricultura Orgânica (IFOAM). Ainda, de acordo com a IFOAM, o maior produtor do mundo de alimentos orgânicos é a Austrália, que possui uma área com aproximadamente 12 milhões de hectares. Seguida de Argentina, EUA, China, Espanha, Itália, Alemanha, França, Canadá e Brasil. Na décima colocação o país apresenta 705 mil hectares para o cultivo desses alimentos e conta com mais de 12 mil pequenos agricultores e trabalhadores rurais para o manejo dessas terras.

O maior desafio, no entanto, é viver totalmente sem consumir agrotóxicos, pois, mesmo comprando frutas e vegetais orgânicos, a clássica combinação do nosso arroz e feijão também está contaminada.

Como saber se o produto que consumo é orgânico?
Na maioria dos estabelecimentos os alimentos são identificados por este selo:

Selo de garantia do produto orgânico / Foto: Elisa Whately

Onde comprar orgânicos em Brasília?
Os alimentos podem ser encontrados em diversos mercados da região, lojas de produtos naturais e feiras orgânicas.

Mapa de feiras orgânicas em Brasília:

Clique no mapa ao lado e confira os endereços das principais feiras de produtos orgânicos do DF
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.