Entregues à própria sorte
Rodrigo Teixeira
242

Embora triste constatar que ainda estamos dormindo, ou cegos, surdos e mudos quanto à realidade de violência que domina o país, ao ler teu texto fiquei com vontade de ouvir esse som de cada reflexão, em voz alta, a se difundir e a provocar nossa ação, por todas as rodas do país - das populares às oficiais e decisórias. Agradeço à tua voz e escrita, num formato e conteúdo contundentes, e tão urgentes, que, mesmo trazendo gravidades reais, cativam a leitura com prazer.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.