TRIGÊMEOS: Como preparei meu bolso pra eles?

“Parabéns Eleonora! Seu exame beta deu positivo! ”

Esperei muitos anos para finalmente ouvir essa frase, informando que eu estava grávida. Em um microssegundo meu cérebro começou a imaginar minha futura vida com um pequeno baby, até que a enfermeira complementou:

“ Nossa, como seu resultado está alto. Parece que você tem mais de um bebê aí nessa barriguinha! “

Oi? Como assim?

Posteriormente o ultrassom confirmou:
 Não era um, nem dois, mas sim três bebezinhos a caminho!
 
Assim começa a minha jornada tripla à maternidade.

Sou Eleonora, mãe de trigêmeos, econômica por natureza e planejadora financeira por vocação. Estou aqui para dividir algumas dicas essenciais para poupar grana nessa fase tão apaixonadamente louca que é a maternidade de múltiplos. As dicas também valem para papais e mamães de um filhote só.

Os primeiros dias após a descoberta de estar gestando uma tropinha foram no mínimo lacônicos, praticamente reduzindo meu vocabulário a uma palavra:

Três!

Três?

Três…

Caracas, nosso mundinho virou de cabeça para baixo! Pois o desejo de ser mãe era muito, mas a surpresa é que foram de muitos!

Passado o estágio onde reaprendi a contar até três, chegou a “crise de provedor”, essa com outra palavra chave dominante:

Como?

Como vou cuidar dos três?
 Como vou vestir todos?
 Como vou limpar tanta caca?
 E não menos importante:

Como bancarei tudo isso?

Pensei até o tico não falar mais com o teco dentro do meu cérebro e para resumir, cheguei na seguinte conclusão:

“Um é pouco, dois é bom, três é divino. Vamos por mais água no feijão e nos preparar para o que vem por aí! “

Porém, só água no feijão não resolve, e várias estratégias precisam ser postas em prática para preparar o bolso para a chegada dos rebentos. Senão são os bolsos que se arrebentam.

Como futuros pais, nós entramos no nicho de ouro de todos os vendedores de produtos possíveis e imagináveis para o conforto e bem-estar de nossos bebês. Papais e mamães ansiosos para prover tudo o que há de melhor (e mais caro) são alvos fáceis e indefesos para esses predadores que rondam o seu bolso. Afinal de contas, todos querem o bebê, mais lindo, bem vestido, fofo, inteligente, _______ (preencha aqui com o seu adjetivo favorito) do mundo.

Qual a dica de como preparei meu bolso para defender o meu suado dinheirinho nessa fase tão deliciosa e recheada de novas descobertas?

Ela está em como eu NÃO me preparei para a maternidade. Vou me explicar melhor.

Fiz uma análise de tudo que precisaria para as necessidades e conforto dos pequerruchos, começando pelos itens mais caros e repassando até os mais simples e divido aqui algumas das opções que fizemos.

– Eu optei por não me mudar para uma casa maior. Moramos em um sobrado de 2 quartos, que apesar de espaçoso, não foi planejado para trigêmeos. A ideia é ficarmos aqui até os pituquinhos terem uns 2 ou 3 anos de idade.

– Eu não fiz planejado para os bebês, nem contratei decorador para o quarto das crianças. Com um bom marceneiro para algumas arrumações aqui e acolá e berços portáteis, consegui montar um quartinho super funcional e gostoso para as crianças.

– Eu não comprei um carro caro. Em casa tínhamos somente um veículo e com a vinda de tantos bebezinhos, realmente não tinha como fugir desse gasto, mas conseguimos optar por um carro com bom custo benefício.

Entenderam a ideia? Para que a jornada da maternidade/paternidade não vire um abismo de novas dívidas, o negócio é refletir, exercitar a simplicidade e demorar para fazer os upgrades em sua vida. Afinal de contas, é muito fácil se acostumar com o conforto, com o melhor, com o maior. O duro é quando isso não tem como ser sustentado e vira uma fonte de preocupações para os futuros papais e mamães. O quanto realmente é necessário comprar, ter e adquirir agora para criar um futuro herdeiro(s)?

Eu entendo que a tropinha precisa ser bem-amada, bem alimentada, agasalhada e limpinha, mas sem excessos e sem grilos. Quando a gente simplifica tem mais tempo para ser feliz, estar presente, e não ficar focando só no ter. Três sorrisos sapecas atestam isso aqui em casa.

C’est tout! Até a próxima.