[tradução] Quando eu finalmente aceitei ser uma mulher “intimidadora"

Por Maria Del Russo 15/07/17

Algumas semanas atrás eu postei uma pesquisa no meu twitter perguntando para meus seguidores o que eles queriam ver nessa coluna. Eu estou cheia de responsabilidades mas questões como essa não paravam de aparecer no meu Feed: “ Como parar de ser uma mulher intimidadora?” Minha resposta? Não pare. Pare de sair com pessoas que te acham intimidadora. F*dá-se eles.

Eu mesma me chamei de intimidadora ao longo da minha vida, isso começou com meu pai — que na tentativa de consolar uma jovem adolescente que não conseguia encontros — disse que não era minha culpa que homens não queriam sair comigo — Eles te acham intimidadora . Disse ele. Ele tratou isso como um elogio — havia criado uma jovem forte e sincera e sabia disso — então eu tentei e levei como tal. Mas a medida que fui ficando mais velha os caras com os quais eu saia me chamavam de intimidadora como motivo de rompimento.

Percebi que o sexo oposto nem sempre vê intimidação como algo positivo

E só de falar com meus amigos não-heteronormativos/queers* percebi que esse fenômeno pode ocorrer principalmente em relações heterossexuais.

Os homens e mulheres queers com os quais falei nunca receberam a desculpa da intimidação como razão que eles não encontravam encontros (apesar de eu admitir que 100% das minhas descobertas são anedóticas).

Então querendo me adequar a um modelo social, encontrar um parceiro e ser o padrão de “a garota que eles querem ter um encontro” eu comecei googlando o que um homem acha intimidante em uma mulher para saber exatamente o que eu precisava “corrigir”. As respostas que encontrei eram irritantes, especialmente um certo post do Reddit. Alguns posts diziam: “se ela é melhor que eu”, outros citavam coisas como “mais inteligentes”, “mais fortes", “mais engraçadas”, “diretas”; Mulheres que ganham mais que seus maridos/parceiros, que tem um emprego melhor ou demonstram sucesso profissional são penalizadas. Basicamente eu achei que sempre que uma mulher é melhor que um homem em algum aspecto da sua vida ela é automaticamente rotulada como “muito intimidadora”.

Fiquei logo de cara, porque muitas dessas características eram partes fundamentais de mim. Eu sempre conduzir minha carreira profissional incrivelmente e me considerava moderadamente bem-sucedida.

Eu tendo a levar tudo nas costas mas também não tenho medo de falar quando algo me irrita ou me suga. Sou independente — vivo sozinha — e não preciso de ninguém para trocar uma lâmpada (sim, essa era uma coisa que alguns homens acham intimidadora) e eu gosto muito dessas partes de mim.

“Considere sua intimidação o melhor filtro de embustes do planeta”

Infelizmente esse não era meu caso de alguns anos atrás, sendo o que eu era, eu comecei a me diminuir. Eu podia falar para meus “pretendentes” várias questões da minha vida mas não sobre meu trabalho ou meu apartamento/Studio. Se eu discordasse deles em qualquer coisa eu evitava um debate ~amigável, sorria e mudava de assunto. Eu tentava fazer com que eu parecesse menor para não ofuscar o homem com quem eu estava saindo. E sabe o que acontecia no fim?

Uma série de egocêntricos que queriam me manter pequena para se sentirem maiores. Os homens com os quais eu queria ter um encontro por outro lado não queriam me chamar para um segundo encontro porque eles eram homens que queriam mulheres diretas, francas, independentes e complicadas — e isso não era o que eu era.

Demorou um tempo para eu perceber que meus atributos supostamente intimidantes não precisavam ser corrigidos, eu não estava sendo fiel a mim mesma. É uma descoberta estranha de se fazer pois parte do que torna um namoro tão difícil é a ideia de que você precisa performar uma coisa para a pessoa que está sentada na sua frente.

As pessoas descrevem os primeiros encontros como uma entrevista na qual você tem que colocar uma versão brilhante de você de um modo que não assuste a outra pessoa. Eu acredito que mesmo que eu pense bastante nisso não vou derramar de uma vez na mesa todas as minhas neuroses, mas que preciso ser eu mesma e não o que a outra pessoa quer que eu seja. Até certo ponto o “gabarito” está pronto então com qual tipo de relacionamento você ficará? E sério, tentar descobrir o que as pessoas querem de você e o que é “intimidante” é uma batalha perdida.

Adoraria dizer que acordei um dia e percebi tudo isso sozinha, mas na verdade era minha terapeuta que, de maneira desconsolada, fazia a conexão de que as qualidades que eu mais gostava em mim eram as que intimidavam os homens com que eu namorava.

As vezes você precisa de alguém com uma perspectiva diferente para mostrar o que está bem na sua cara.

Foi então que me entreguei a liberdade de deixar de me preocupar com a intimidação, decidi ser eu mesma — boca aberta e tudo — Abracei minha independência, minha natureza franca, minhas inteligências, meu jeito e também as falhas que me fazem.

Desisti de esconder parte de mim mesma para meus “pretendentes” para que eles pudessem perceber realmente quem eu sou e isso fez melhorar meus encontros de muitas maneiras. Isso me permitiu discutir intensamente os padrões que eu estava “procurando”, e o mais importante, me fez perceber que a pessoa que controlava minha vida de namoro sou eu, e não a pessoa que está sentada ao meu lado.

Então, para todas as mulheres que me escreveram perguntando como parar de ser intimidadora eu digo: eu aprendi a ceder a essas partes de mim.

Se um homem vale a pena ele nunca vai fazer você sentir que precisa de se esconder.

Considere sua intimidação o melhor filtro de Embustes do planeta.

Quanto a mim, estou convencida de que vou encontrar uma pessoa que vê as coisas que chamam de “intimidantes” como incrivelmente excitantes.**

Enquanto isso estou feliz trocando minhas próprias lâmpadas, muito obrigada.

*não-identidades Queer
**Ou não ;)