Margarida

hoje três vezes um sino tocou
um poeta morreu
um poema entrou.

oh jovem margarida
o olho do dia
bonina indagou
respondi
sim ou não.

margarida do botão dourado
com suas perguntas
tão alargadas
sua voz tão delgada
margarita-maior
que qualquer prédio
se estende sobe a janela
eleva-se e cura-me
a visão desse concreto morto.

margarida cor de perola
de pétalas com fios valente
ao amanhecer os prende sob seu perfume
ao anoitecer os liberta aos ventos.

hoje um poema encontrei
na chuva de papel se foi.

Elder Rodrigues

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.