Ah, Minha Quase vida!

  • Hey, moça, tudo bem?

Escuta, eu gostaria de saber teu nome, teu sobre nome e quem sabe o que diz essa tatuagem que tens escondida. Não nos conhecemos ainda, mas te vi outro dia e você parou o que era meu.

Te vi de cantinho de olho, passando bem depressa, pensei que estarias atrasada. Não sei teu nome, não sei quem és tu, mas pelo jeito que para, olha e ri, parou tudo que era meu. Parou meu dia, meu mundo, parou o meu coração.

Queria dizer-te inclusive que o teu cordão que estava no teu fino braço direito, esqueces-te aqui sobre a minha cômoda, que teus olhos castanhos não saíram dos meus.

Queria dizer que os dentes que prendiam vagaroso, aquela goma de mascar, ah aquela goma de mascar.

Dos cigarros que fumou, nem a cinza saiu da minha pela. Sei que não sabe quem sou, de onde vim ou pra onde vou, mas não te apresse, o café tá quase saindo, as torradas estão quase prontas e você quase acordada.

Lógico que você para mim, quase existe.

Mas sentiria muito bem se você quase me visse, de cantinho de olho, pode ser. Se me vires por completo, podes não gostar.

Mas se eu puder dar um conselho, não quase viva, viva por completo. Aí quem sabe, me compreenda, mas não quase me entenda, me entenda como o cara que quase mudou a sua vida.

Por uma vida com menos, quase.

Case, tenha filhos, ou não. Ame quem te ama, ame inclusive quem não te ama.

Se chateie, faz bem. Mas nunca te esqueça, a vida nunca é um quase. É sempre por inteiro.

A vida é sempre por Inteiro.

Like what you read? Give Emerson Kremer a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.