3 anos de comunidade empreendedora

A historia por trás do Silicon Drinkabout São Paulo.

Quando paro para pensar em tudo o que se pode construir em comunidade, em conjunto, es muy loco. Imagine se nessa comunidade o foco principal fosse fazer networking e gerar novos negócios — seria mais rico ainda.

Segundo o dicionário de Cambridge, comunidade “são pessoas que se consideram unidas por um interesse em comum, que compartilham valores e uma identidade própria”.

Há algum tempo, quando se pensava em comunidade, geralmente vinha na nossa cabeça comunidades religiosas, ecológicas e todas aqueles grupos que se amarram à uma história de identidade e valores compartilhados. Uma comunidade é isso mesmo, mas aqui vou contar a história de um outro tipo de grupo, os empreendedores brasileiros.

Depois de anos empreendendo e caminhando por muitas cidades, cheguei à conclusão de que o empreendedor é aquela pessoa com iniciativa própria, que tem ideias muito loucas, modela novos projetos, tem uma visão de futuro inovadora, mas vive a maior parte do tempo no anonimato porque é solitária.

Os clássicos eventos de networking são o primeiro passo para que a pessoa saia do seu homeoffice para a rua. É o ponta pé inicial para começar a criar laços de amizades com outras pessoas iguais à ele, com as mesmas necessidades e desejos.

Novembro é o mês de aniversário do Silicon Drinkabout São Paulo, um meetup com formato de happy hour que acontece às sextas-feiras e começou com o objetivo de juntar a galera relacionada a negócios criativos e startups em um evento descontraído para trocar ideias e experiências. Muitos acham que fui eu quem criou o evento mas não - cheguei poucos meses depois. Quem começou tudo isso foi Ricardo Parro e em seguida aderiu Alexis Gourdol. Ambos sentiam falta de um grupo de pessoas ligadas à tecnologia e startups. Hoje o Silicon Drinkabout é o mais reconhecido happy hour de startups de São Paulo. Tem uma agenda itinerante que conecta a maior quantidade de pessoas possíveis na cidade. Circula por bares, cafés, espaços de coworking, escolas criativas e sedes de empresas.

Eu com Antonio Marcon (Samsung), Roberta Vasconsellos (BeerOrCoffee) e Livia Collantes

A cada semana chegam no Silicon Drinkabout diferentes empreendedores brasileiros da própria cidade, mas a grande maioria vem de outros estados do Brasil e outros países também. Essa é uma característica de raiz do evento. O Silicon Drinkabout hospeda novos cidadãos em São Paulo, os abraça, dá uma risada bebendo qualquer coisa com eles, os conecta e até faz mentoria para ajudá-los a empreender melhor. Alguns membros da comunidade já tiveram a oportunidade de trocar ideias com croatas, franceses, polacos, uruguaios, peruanos, chineses e japoneses que não falavam nada de português. Uma vez recebemos um sírio que falava perfeitamente o português, era desenvolvedor e fazia apenas 6 meses que morava no Brasil. É gostoso demais esse clima internacional constante de cooperação que hospeda uma troca riquíssima de experiências.

Marcelo Tung, um membro ativo da comunidade

Todas essas pessoas, uma vez que estão dentro do ecossistema de empreendedorismo paulistano, os declaro empreendedores brasileiros. Eles vem em busca de uma nova experiência, de um sonho grande de conquista.

Os empreendedores paulistanos buscam novos amigos que sejam como ele, que estejam abrindo uma startup e também precisam de ajuda ou até de um sócio. As pessoas de outros estados e os estrangeiros são diferentes apenas pela distância percorrida, mas a busca é a mesma. Querem encontrar gente ligada à marketing, tecnologia, fazer um pitch, encontrar um desenvolvedor. O mais lindo disso tudo é que todos eles estão criando novos negócios para o Brasil. É aqui que encontramos o grande valor da comunidade empreendedora.

O desafio de criar e manter uma comunidade assim é muito difícil. É preciso coragem, resiliência, confiança e, principalmente, ralar duro. Lá atrás, em 2013, no comecinho do Silicon Drinkabout, tínhamos apenas os fundadores do meetup sentados com três pessoas numa mesa. Houve um evento em que recebemos apenas uma pessoa. Sim, uma pessoa só! É muito desesperador porque na hora de marcar o próximo evento você tem muito medo de que aquilo volte a acontecer e o meetup seja um fracasso. Quando você cria um evento a partir do zero, apenas com a ajuda de voluntários, e ainda por cima com periodicidade semanal, é um desafio levá-lo para frente com sucesso. É preciso conteúdo, encontrar lugares diferentes para cada evento, pensar em novos formatos, trazer parceiros e juntar as pessoas certas. Outro desafio: o dia e horário em que o Silicon Drinkabout foi formatado - sexta-feira às 19h. Se você perguntasse para alguém se nesse horário iria dar certo, tenho certeza que todos iriam dizer “não”. Mas aqui estamos, com uma comunidade sólida de mais de 2 mil pessoas e uma média de 30 pessoas por semana que fazem do evento um burburinho de ideias que não para, com centenas de experiências compartilhadas, mentores oferecendo ajuda para os iniciantes, novos negócios acontecendo e novas sociedade se formando.

Gostaria de agradecer a toda essa galera incrível que vem conosco toda semana. Obrigado por voltar e indicar o evento. Obrigado a todos os voluntários que, com muito esforço, organizam esta sexta-feira diferente. Obrigado a todos os parceiros e amigos. Obrigado às nossas mulheres e maridos que nos deixam sair no último dia da semana para fazer do Silicon Drinkabout São Paulo um evento de muito sucesso! Gracias a todos!

A single golf clap? Or a long standing ovation?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.