Sobre astros celestes

Sabe quando não estamos esperando absolutamente nada da vida e ela te assusta com uma surpresa encantadora? Quando estamos apenas no fluxo que os dias, as horas e os minutos nos impões. Quando nossa vida é apenas um leve despertar da existência ultrajante de ser alguém, mesmo que você não esteja satisfeito com quem você se tornou. Daí que tudo não passa de uma perda de tempo e sentimentos, mergulhados em cada dose de sua bebida favorita.

Eis que o destino, as energias, o acaso ou Deus, seja lá do que você costuma chamar, te brinda com um maravilhoso “empurrão” fora de seus trilhos fixos em solidão. Acreditem, somos solitários mesmo entre a multidão. E nos mantemos assim, sós, com a cabeça abaixada, olhando uma tela luminosa, cheios de esperanças de um futuro romântico. E enquanto esperamos a tela acender, perdemos milhares de oportunidades que passam a cada momento ao nosso lado, sempre que vamos na padaria e baixamos a cabeça em busca de uma resposta fria, vazia e binária.

Vivemos na Era da Informação, em um único dia temos acesso a mais informações do que nossos avós tiveram a vida inteira, e ainda sim, preferimos viver na doce ilusão da ignorância. Temos medo de nos frustrar, então deixamos passar todas as oportunidades que pedimos tanto em nossas orações. Aquele pedido por uma amizade sincera, por um amor verdadeiro, por um cãozinho que possa ser nosso, mas deixamos passar, assim como deixamos as horas se esvair entre os ponteiros de nossa breve história.

Somos uma tela em branco esperando para ser pintada. Cada pessoa que passa por nossas vidas, cada uma que sai delas, cada amor, cada acerto, cada erro, cada dor, é uma camada de tinta na obra de arte de nossa existência. Então por que nos limitar a apenas sete cores, se podemos misturá-las e criar uma infinidade de outros tons?

Por que ainda nos deixamos esmaecer perante nossos medos? Por que? Por que? Por que ainda somos cegos, surdos e mudos diante as inúmeras possibilidades, combinações e arranjos?

A verdade é que nascemos com todas as respostas e vamos esquecendo à medida em que nossas mentes são corrompidas pela materialidade do mundo. Alguns se acomodam a sonhos vazios, ao ter, ao poder. Já outros enxergam com empatia, em suas mentes inquietas, e buscam e questionam e se libertam…

Sabe quando não estamos esperando absolutamente nada da vida e ela te assusta com uma surpresa encantadora? Basta querer enxergar.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.