Fica tranquilo porque vou seguir minha vida. Não irão existir mais ligações, mensagens ou encontros. Eu vou me formar, conseguir um emprego incrível, viajarei para fora e serei reconhecida naquele trabalho que amo. Irei conhecer lugares, pessoas e novos amores e alguém em especial quase irá me fazer sorrir como você faz e será suficiente. Chegará o dia em que me casarei em um vestido branco e longo, caminharei até o altar, sorrirei e estarei feliz, de verdade — mesmo que não seja você me esperando. Terei uma casa com um quintal enorme, um labrador e dois filhos que não me deixarão dormir direito à noite, mas encherão meu coração de paz.

E alguns anos depois, eu vou acordar mais cedo, farei um café, e vou sentar na cadeira aconchegante para ver o dia amanhecer do jeito que gosto: nublado e frio. Num piscar de olhos você virá nas minhas lembranças. Meu sorriso vai congelar assim como o vento que entra pelo meu corpo. E mais uma vez vou imaginar como teria sido minha vida se você tivesse ficado.

Não, não se engane. Eu estou feliz. Muito. Mas nunca estarei tão feliz quanto naquele apartamento pequeno e apertado onde a gente se esmagava para caber ou de quanto a gente roubava as bebidas do bar do seu pai e íamos para a rua ver o céu estrelado. Talvez em outra vida, certo? Você me tornaria sua prioridade e eu teria mais força para lutar por nós. Quem sabe a gente conseguiria manter aquelas promessas. Mas por essa vida, você é apenas aquele que se foi.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.