Tamanho é documento?

Para as grandes empresas e suas estratégias de marketing vazias, sim.

Vou ser rápida, prática e objetiva.

Quem trabalha com relacionamento em social media gostaria, muitas e muitas vezes, de dizer algumas poucas palavras sobre números absolutos para seus clientes. Gostaria de dessignificar essa obsessão louca que grande parte das empresas têm por números vazios . Porque, veja bem, números são importantes. Eles demonstram tendências, indicam caminhos. Mas precisam ser MUITO bem aplicados. Contextualizados. Analisados como uma ferramenta que auxilia a compreender o COMPORTAMENTO humano. Assim, pelo menos, penso eu.

Gostaria de dizer que não importa quantos likes uma página possui, ou quer possuir — esse é um modo simplista de analisar um cenário. O importante é a qualidade e o tipo de perfil desses usuários, se, de fato, eles são ou serão impactados pela sua mensagem — e, posteriormente, convertidos em verdadeiros clientes.

Isso é óbvio e simples, todo mundo sabe. Não é preciso ser nenhum especialista em nada para perceber o impacto que o relacionamento traz pra uma marca. Então, me respondam aí, por que diabos, no cotidiano de qualquer agência desse país, não contra argumentamos quando nos são exigidas metas sem sentido? Ou que não exigem nem uma dose mínima de inteligência de mercado?

QUESTIONE SEU CLIENTE.

COMPARE VALORES.

USE OS TAIS NÚMEROS, ABUSE DA MÉTRICA.

O aumento do número de likes da sua página significa um aumento REAL das suas vendas? Agrega uma mensagem positiva para a sua marca? Você consegue afirmar que a cada 10 novos seguidores conquistados no FB, no Instagram ou no Twitter da sua companhia suas vendas aumentam na mesma proporção? Seu produto se torna mais relevante em alguma causa? Setor? Seu produto ganha voz própria com potencial para conquistar as pessoas?

É para isso que serve um bom trabalho estratégico em social media. Para dar sentido a coisas/marcas imateriais. Para significá-las.

Mais que número é preciso ter engajamento.

Envolvimento.

Desejo.

As redes sociais só fazem sentido se promoverem diálogo.

Olha só, quer um exemplo prático?

Não adianta nada 16 milhões de brasileiros fazerem parte da página da Guaraná Antártica se 75% deles preferir tomar Coca Cola no domingo em família.

É fácil se diferenciar no mercado, mas exige paciência, ciência e tato.

Trabalhar bem, dá trabalho. Muito.