Sobre ser

Às vezes preciso lidar com o fato de me ser e, às vezes, isso dói. Porque, por mais que cada outro enxergue uma pessoa diferente em mim, me esconder de mim mesma é uma tarefa complicada.

Para não dizer impossível. Afinal, eu tô aqui, todos os dias, encarando aquilo que sou de fato. E, sinceramente, que pessoa complicada! Por que, mesmo, justo a mim me coube ser eu?

E eu sou muitas, mas ao mesmo tempo, uma só. Pequena e frágil diante de tanta cobrança e sentimentos indecifráveis. Tem dias que me perdoo. Tem dias que me condeno. Tem dias que apenas “não sei”.

Mas eu penso que, talvez, seja só uma questão de vestir estereótipos desnecessários e projetar um “eu” em objetivos inalcançáveis ou, até mesmo, baseados em ideais que nem sei se são meus ou me foram impostos.

O que eu preciso, de verdade e com uma certa urgência, é aprender a me despir.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.