Quantas vezes não consegui trabalhar por que fiquei na cama imaginando ser uma pessoa que eu não era, alguém feliz e sem problemas. Quantas vezes deixei de sair e me divertir por que mesmo a alegria me feria. Quantas vezes eu me tranquei em casa, desliguei o telefone, apaguei as luzes e fingi não estar.

Fiz o que pude para proteger a minha mente e sobreviver a todo o mal que a violência sofrida na infância provocou em minha vida. Cresci lendo matérias e assistindo reportagens falando sobre o que o abuso sexual causa a uma criança. Mas eu não via nada sobre os males que se arrastam pela adolescência e destroem a nossa vida adulta. Parece que eles acham que a criança vítima de abuso sexual não cresce ou quando fica adulta simplesmente esquece tudo o que passou.

Ninguém esquece. O trauma fica ali insistindo em nos lembrar que somos diferentes. É difícil ver perspectiva de mudança. Passamos pela vida e não vivemos como deveríamos.

Tenho a sensação de ter perdido períodos da minha vida. Espaços em branco de histórias que deixei de viver. Fui vista como irresponsável quando a depressão batia forte e eu não conseguia levantar para ir ao trabalho. Pensam que o abuso sexual infantil prejudica apenas a vítima. Não conseguem ver que toda a sociedade se prejudica também.

Um abraço de Alice Girassol🌻


Curta a nossa página Movimento Girassol no Facebook!

Imagem: Pixabay, perfil rmac8oppo.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.