#4 Manifesto Gracias a la Utopia

É tempo de reparar na balança de nobre troca que equilibra o fluxo do mundo em equiparações e percepções distintas de valor.

Somos todos matéria, e viver diante das limitações do corpo é sufocante e frenético.

Image for post
Image for post

Sonhamos, acordados ou não, em vibrar um outro nível de conexão, em transcender para outro ponto de reconhecimento e alcançar uma consciência superior.

Image for post
Image for post

Idealizamos uma civilização baseada em trocas, onde cada ser expressa a sua essência em permuta de outros desdobramentos expressivos essenciais.

Porém internalizamos, conscientes ou não, que sancionamos um espectro de convivência e sobrevivência baseado na estrutura do capital, na força transformadora de uma frequência invisível, e que ainda carecemos de alguns processamentos para evoluir adiante.

Esse movimento todo, nos exige disposição, principalmente disposição irresistente.

Nos colocarmos disponíveis aos convites e chamados ao nosso redor para se fazer diferente, para se propor o inerente, e claro, para não resistir ao que se sente.

Image for post
Image for post

Ao pararmos para nos escutar, além de sentirmos a adrenalina de arriscar, ouvirmos os chamados para transformar, e vibrarmos as expressões da nossa verdade, nos daremos conta também, que existem outras formas de compartilhar o nosso trabalho com quem divide a consciência com a gente.

Percebemos que lidamos com almas em alteridade e que quando precisamos determinar em cifras materiais e financeiras o valor da nossa expressão, nos determinamos em rótulos, nos limitamos em impossibilidades e nos negamos enquanto complexos multiversais.

Image for post
Image for post

Vai contra nossa natureza pensar nas finanças como núcleo elementar, identificamos que quando olhamos para o mundo sob a ótica econômica — calculista, pulverizamos a nossa essência em fragmentos.

Image for post
Image for post

Porque para nós, bens tangíveis são dualmente profundos em intangibilidades, logo, se torna evidente que as criações detém de um coração e uma verdade própria, além de uma ampla esfera de expansão.

No caso de uma peça, por exemplo, consideramos genuinamente sua energia e toda amplitude que ela representa.

Consequentemente, entendemos que tudo que é fruto de uma criação ou canalização é equitativamente uma obra do universo, e sendo assim, não é exclusivamente nossa. Por isso, não nos sentimos no direito de determinar valores absolutos para esta dinâmica.

Por outro lado, enxergamos também, que a linguagem monetária é uma força ordenadora — transmutadora, e a interpretamos em sua circulação como uma energia de troca, assim como o tempo ou o próprio amor.

Contudo, confessamos que não nos agrada depender e carecer dela de maneira vital. E esta condição de vida para nós é terminantemente desconfortante.

Não porque não temos a capacidade de enxergar ou reconhecer o valor da energia financeira, mas sim porque acreditamos que essa percepção de medida varia individual e livremente, de acordo com cada atribuição de significado e diante de cada múltipla realidade em órbita.

E essa variação sim, que nos estimula e nos instiga!

Nos movimenta com curiosidade e determinação rumo à uma variação no processo de interpretação de valores existenciais.

Quanto à isso, nos comentam de um mundo prático, frio e racional, insustentável pela crença positiva no entendimento e concepção do ser humano.

Image for post
Image for post

Nos alertam que ainda não é o momento de desafiar a integridade e condescendência da sociedade em termos de convicção financeira.

Image for post
Image for post

MAS NÓS ARRISCAMOS,

pois arriscamos com propósito e sem medo!

Desafiamos as pessoas a compartilharem conosco suas atribuições de valor!

Precificando com o coração: sentindo e manifestando seus sentidos em um ambiente natural abundante.

Image for post
Image for post

Afinal, pressentimos que somente ao absorvermos a profusão da natureza, nos mobilizaremos à verdadeira consciência, assimilando a nossa lógica de troca com ela, com o universo e com quem conecta com a gente através da nossa expressão.

Dado que a consciência para nós vai além da sustentabilidade e da economia circular, ser consciente como propósito é reconhecer toda nossa cadeia de valor, priorizar e valorizar a mão de obra e matéria prima local, evidenciando as habilidades e atitudes de quem nos circunda em sinergia, assim como as causas e temas que fazem parte da nossa esfera de ação.

É diante destes movimentos que confiamos e compartilhamos a evolução contigo, ressignificando a inovação e avivando todos à buscarem dentro de si uma representação de valor percebido para o consumo de nossas obras.

Se reflita e responda:

.

Qual é o valor de uma essência livre?

.

Image for post
Image for post

.

Qual é o valor de uma consciência plena?

.

Image for post
Image for post

.

Qual é o valor da verdade que se vive?

.

Image for post
Image for post

.

.

Qual é o valor da energia que se veste?

.

.

.

Qual

o

valor

pra ti?

Image for post
Image for post

Written by

A inspiração vem da liberdade dos movimentos, da atitude do simples e da essência dos momentos. esencoinspira.com.br

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store