Por Tiago Ranieri de Oliveira, Procurador do Trabalho e Vice-Coordenador Nacional da Coordenadoria de Combate à Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente (COORDINFANCIA/MPT)

Os conselheiros tutelares são agentes que procuram assegurar os direitos da criança e do adolescente, abordando-os, sensibilizando-os, identificando suas necessidades e demandas e desenvolvendo atividades e tratamento. Eles funcionam como uma espécie de “Procon” da área da infância e adolescência, pois recebem o encargo de atender brasileirinhos em situação de risco pessoal e social, em razão dos seus direitos terem sido ameaçados ou violados por ação ou omissão da sociedade ou do Estado.

Esta ocupação, prevista no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), nasceu da necessidade de se implementar os direitos fundamentais estabelecidos na Constituição Federal de 1988, em especial os direitos das crianças e dos adolescentes. O trabalho desses agentes é exercido em instituições ou nas ruas, geralmente em equipes multidisciplinares. Os horários são variados: tempo integral, revezamento de turno ou períodos determinados.

Socialmente, o Conselho Tutelar tornou-se uma das primeiras instituições da democracia representativa, uma vez que seus membros são escolhidos pela própria sociedade. É um órgão garantista da exigibilidade dos direitos assegurados nas normas internacionais, na Constituição e nas leis voltadas à população infanto-juvenil. Sua atuação vai além da requisição de serviços, passando pela identificação das vulnerabilidades, buscando tratá-las na dimensão e especialidade que merecem.

Para tornar suas decisões efetivas, os conselheiros tutelares podem requisitar serviços públicos nas áreas de saúde, educação, assistência social, previdência, trabalho e segurança. Diante de qualquer situação de vulnerabilidade, risco e/ou ameaça aos direitos da criança e do adolescente, o Conselho Tutelar tem a legitimidade e obrigatoriedade de atuar para que o princípio da proteção integral e prioridade absoluta seja garantido e concretizado.

Também é papel do conselheiro agir para coibir o trabalho infantil, aquele desempenhado por pessoa abaixo de 16 anos de idade. Num país em que a desigualdade social impera, o trabalho abaixo da idade mínima ainda é visto, pelo senso comum, como uma alternativa à miserabilidade e à marginalidade. Infelizmente, essa visão atinge a atuação do próprio conselheiro tutelar, o que gera grande deficiência no combate dessa mazela social.

Esse olhar equivocado ocorre por falta de capacitação e qualificação, de sensibilidade com o tema (acreditar que o trabalho antes de 16 anos é natural torna-o invisível), e pela ausência de um Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente efetivo. Disso surge um paradoxo: se o “soldado” de frente (conselheiro tutelar) não consegue identificar o “inimigo”, toda a atuação do restante do sistema de garantia de direitos (CRAS, CREAS, MPE, MPT, Justiça) fica comprometida, pois a rede não será acionada a tempo e na proporção que foi planejada.

Importante ressaltar que não é papel do conselheiro tutelar fiscalizar empresas que exploram mão de obra infantil. Essa competência é do auditor-fiscal do trabalho. Entretanto, ao conselheiro cabe identificar a ocorrência do trabalho infantil e, para isso, ele tem que estar apto a detectá-la, colher dados para acionar a rede de proteção, requisitar serviços e notificar o Ministério Público do Trabalho.

Há ainda a necessidade de o conselheiro tutelar conhecer todos os atores da rede proteção do seu município (CMDCA, CRAS, CREAS, diretores e professores de escolas, agentes comunitários de saúde, promotor de Justiça, juiz da Infância, juiz do Trabalho, procurador do Trabalho, entre outros) e saber que alternativas podem ser ofertadas para solucionar o problema.

Certamente, sem afetividade pelos direitos da criança e do adolescente, jamais teremos efetividade na luta para a qual o Conselho Tutelar foi criado.

* Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião da Escola Superior do Ministério Público da União (ESMPU). Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Escola Superior do MPU

Written by

Perfil oficial da Escola Superior do Ministério Público da União (ESMPU)

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade