Punheta entre Heteros?

Estranho o título né? Mas isso é mais comum do que você imagina, e eu sou prova viva disso. Meados do ano 2004 eu começava a acessar as salas de bate-papo do Uol, e lá descobri um link que se chama “Salas Abertas por Assinantes”, meu mundo mudou ali. Cliquei, logo após cliquei em Sexo, e descobri que os assinantes do Uol, podiam abrir salas de bate papo com o nome que quisessem, e uma dessas salas se chamava “Punheta Entre Héteros”. Ao entrar percebi que os nick-names eram: “Hetero Macho ZS” “HeteroXHetero” “MACHO BARBA ZS”. Me senti em casa, pois eu sentia tesão em me masturbar com Homens, mas não me sentia gay, e não me adaptava ao mundo gay que existia na minha cabeça. Passei anos me masturbando com outros caras pela Webcam, até que um dia criei coragem e sai com um. Nada mudou, pois a proposta era a mesma “Circle Jerk”, ele não encostava em mim, nem eu nele e assistíamos vídeos Heteros. Até que aos poucos a cena foi mudando, e migrei de fato para o “mundo gay”. O que é mais impressionante neste relato, é que passei anos achando que era Hetero, e super normal, um “Hetero” se masturbar com outro “Hetero”. Na vida juvenil, até os 14–15–16 anos, até que é normal dois Homens se masturbarem juntos, pois estão conhecendo o corpo e blá, blá, mas quando após os 18 anos, você ainda sente essa vontade, repense, pode ser que você não seja TÃO hétero assim.

Acho que a maioria ali esta procurando o esteriótipo de Homem, Macho, com atitude de Hetero. Porém muitos caras realmente Heteros, como eu na época, caem por ali, levados a saciar esse desejo, estranho, sorrateiro, que nos arrasta para este gostoso mundo do arco-íris.

Impressionante é que depois que descobri minha sexualidade, minha postura como “HOMEM” se tornou mais arraigada nas questões e costumes de heteros, me sinto Homem, gosto de falar, andar, respirar, agir como tal, mas também acho engraçado de vez em quando falar “A Loka” “Se Joga” “Arraso Bi”.

Fico triste em ver que muitos caras com quem eu já transei, após a transa sempre rola aquele papo cabeça, onde um pergunta para o outro se é assumido, sempre escuto, “Nossa jamais diria que você é gay”, quando digo que toda minha família, amigos, conhecidos sabem da minha orientação, alguns se espantam, outros se afastam, e há aqueles que pedem sugestões de como fazer o mesmo, e se mudou algo na minha vida. Mudou TUDO, mesmo, sou outra pessoa, mais livre, mais solto, menos tenso, não me sinto perseguido pelo fantasma do “Será que ele é?”, não deixo dúvidas já falo na lata.

O medo nos consome, você não percebe, ele vai estressando seu corpo aos poucos, a cada vontade sua de ser livre, você sente um ódio mortal por não conseguir, se sua família não te aceita, então não aceite eles, isso faz parte de você, isso é você, vá viver, repense.