O Sonho do Estivador: Bill Morrison

por Laura Del Rey

O premiado artista Bill Morrison, nascido em Chicago, é figura chave no Valongo 2016 e seu tema narrativas visuais.

frame de O Sonho do Estivador (Bill Morrison)

A presença do cineasta se dá em duas projeções: Beyond Zero: 1914–1918 (realizado em 2014) e The Dockworker’s Dream (O Sonho do Estivador) — trabalho ainda tão fresco que nem está no site do artista.

O filme de 18 minutos se conecta perfeitamente com Santos. Como é costume de Morrison, foi criado a partir da composição de fragmentos de filmes antigos, desta vez imagens portuárias encontradas na Cinemateca de Portugal.

Com alguns trechos mais e outros menos comprometidos pelo tempo e o mau cuidado, a “colagem” poética do artista é embalada por uma trilha sonora marcante do grupo Lambchop, conhecido por seu gênero country alternativo, e explora as marcas físicas do material de arquivo.

As imagens, lindíssimos registros do cotidiano em fábricas de tecidos, mergulhos no mar ou em estranhos safáris com perseguição de animais, já valeriam a visita ao vídeo (que está projetado em uma tela pequena e pode ser desfrutado sentando-se em pufes). A sequência e a associação feita entre os trechos de imagens e o som, entretanto, potencializam tanto mais o sentido deste renascimento imagético que fazem do curta um ponto imperdível da programação.

frame de O Sonho do Estivador (Bill Morrison)