Livro de contos infantis indígenas é lançado em aldeia no Acre

Jabutis que viviam em bandos até serem seguidos por uma onça, uma paca-de-rabo morta e uma esposa que decide se vingar, o peixe-machadinho que nasceu depois de as crianças engolirem uma concha de sopa, as crianças-grilo gulosas e como o sol foi morar tão longe.

Essas são algumas das histórias infantis dos índios Yawanawa contadas pelo pajé Tatá, de 103 anos, que fazem parte do livro Vakehu Shenipahu — contos infantis do povo Yawanawa, lançado na semana passada aqui no Acre, na aldeia Matrinxã, às margens do rio Gregório, a duas horas de barco do vilarejo mais próximo.

A obra reúne sete contos e é uma produção totalmente indígena. Escrito em português e na língua Yawanawa, o objetivo do livro é o de difundir e preservar a memória para que essas histórias possam perpetuar no tempo, além de uma tentativa de recuperar e incentivar a prática da língua nativa que entre as crianças — e também para alguns adultos — já caiu no esquecimento devido ao uso da língua portuguesa no cotidiano.

Segundo Tashka Yawanawa, que foi quem transcreveu as entrevistas com o pajé Tata e cuidou da organização do livro, junto com a Laura, esposa dele, assim como nós, brancos, conhecemos as histórias infantis como Chapeuzinho Vermelho e Pinóquio, as crianças Yawanawa precisam conhecer também as próprias histórias.

“São contos que fazem com que as crianças sonhem com seres encantados que vivem na floresta, onde a magia e o encanto enche de cores sua imaginação. Mostram o afeto das crianças com as aves, os animais e a floresta. Elas ensinam que os jabutis , as onças, os peixes e todo ser vivo que mora na floresta são espíritos com alma e sentimento igual a gente”, disse Tashka.

Além disso, são contos marcados por cenas trágicas porque fazem parte da cosmologia de acontecimentos marcantes da vida na floresta, que pode ser perigosa e desafiante devido ao convívio com os animais selvagens.

Uma dessas crianças é o Julio, de 14 anos, que desenhou as onças e o sol em destaque na capa. Ele contou que foi a primeira vez que participou de uma oficina de ilustração e disse que esperava ansioso o momento para poder pegar o livro e ver seus desenhos registrados.

“Se você não escutar as nossas histórias hoje, não terá o que contar e ensinar no futuro para o seu povo e para seus filhos. Nossos antigos sempre tinham o que contar. Hoje em dia ninguém quer mais falar em nossa língua, não querem mais comer a nossa comida tradicional. Por isso temos que continuar contando a nossa história, para educar”, fala o pajé Tatá na apresentação do livro.

O livro chega numa hora sensível aos Yawanawa, pois Tatá encontra-se enfermo, numa batalha contra o câncer. No dia do lançamento, ele deixava o hospital e voltava para a sua aldeia, a Mutum, localizada algumas horas de barco da Matrinxã. E depois da festa do livro, era para lá que todos iriam para receber e afagar o grande amigo.

O Vakehu Shenipahu não está ainda à venda nas livrarias, mas se você quiser encomendar o seu basta escrever para a Laura nesse email aqui laurayawanawa@gmail.com que ela envia para você por R$ 49,90 mais o valor do frete. Mas não demora muito não porque nessa primeira edição foram impressos mil exemplares e muitos deles já estão nas mãos dos professores e alunos das aldeias. E um em minhas mãos, é claro.

*

Se quiserem falar comigo, estou por aqui:

Email: eunafloresta@gmail.com

Facebook: Eu na Floresta

Instagram: @eunafloresta

Twitter: @mfernandrib

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.