Finais surpreendentes, chocantes ou decepcionantes das novelas

Com sugestão do amigo Ciro @donododestino, no Twitter, hoje falo de finais inesperados e surpreendentes das novelas brasileiras.

AMOR À VIDA (2014): A novela de Walcyr Carrasco teve uma trajetória totalmente equivocada do terceiro até o último mês de exibição. Mesmo assim, teve um dos finais mais belíssimos da história da TV: a cena em que Félix (Mateus Solano) diz ‘’eu te amo’’ pro pai César (Antônio Fagundes), sentimento retribuído pelo patriarca. Anteriormente à essa cena, foi exibido o beijo gay, tão esperado, de Félix com seu namorado Niko (Thiago Fragoso). As cenas já eram aguardadas e noticiadas pelos jornais, mas acabou sendo surpreendente por vários motivos, entre eles, pela beleza do conjunto de cenas, não condizentes com o resto da trama.

AMÉRICA (2005): Uma surpresa no caso, decepcionante. A irregular e mal-quista novela de Glória Perez foi um fenômeno até além do que precisava — 49 pontos de média — e mobilizou todo o país em torno do final, que mostraria o suposto beijo gay de Zeca e Júnior (Erom Cordeiro e Bruno Gagliasso), ansiado por muitos como o primeiro beijo homossexual da TV brasileira. E a cena existiu: foi gravada e escrita, mas decepcionando a todos, a Globo decidiu em não exibir. O resultado: 70 pontos de pico na Grande São Paulo em pleno 2005 se aborreceram com o desfecho da trama, que além do beijo gay não exibido, não juntou os protagonistas Sol e Tião (Deborah Secco e Murilo Benício) no final. O peão simplesmente terminou com Simone (Gabriela Duarte), deixando muitos basicamente irritados com os erros de Glória Perez no último capítulo dessa produção.

EM FAMÍLIA (2014): Outro final decepcionante das novelas. Maneco foi infeliz em quase todos os quesitos nesta trama que encerrou de forma trágica a sua grandiosa trajetória nas novelas globais. Começando pelo gancho do penúltimo capítulo, digno de um capítulo avulso qualquer, até chegar na morte de Laerte (Gabriel Braga Nunes), o vilão, que foi assassinado por…Shirley (Vivianne Pasmanter), que a amava, claro? Nada! quem matou Laerte foi uma sub-coadjuvante, vivida por Louise de Tuanni, que entrou de sopetão nas semanas finais para ser mais uma vítima da obssessão do rapaz, cujo nome da personagem nem se lembra.

HAJA CORAÇÃO (2016): Recentemente, ‘’Haja Coração’’ fez sucesso no horário das 7 da Globo, com média geral de 27 pontos e picos facilmente atingindo os 31. Mas não houve quem não se chocasse com o final, digno de picadeiro: a feirante Tancinha (Mariana Ximenes) terminando com o caminhoneiro Apolo (Malvino Salvador). Daniel Ortiz cometeu dois erros: não seguiu o último capítulo da novela em que se baseou, ‘’Sassaricando’’ (1988) e fez a burrada de não terminar Tancinha com Beto (João Baldasserini), com quem tinha muito mais química, envolvimento, e trama, pro bem ou pro mal. Parece até que Ortiz foi moralista no final — ‘’em nome da moral e dos bons costumes, termino Tancinha com Apolo para o amor verdadeiro imperar’’. Uma piada.

TORRE DE BABEL (1999): Um final impactante de Sílvio de Abreu. Depois de ter sido desmascarada, Sandrinha (Adriana Esteves), a vilã que explodiu o shopping, vai presa e é humilhada em frente de toda a família Toledo e até de sua amiga Bina (Cláudia Jimenez). A cena final da trama segue-se posteriormente, quando a câmera vai entrando num túnel interno do novo Tropical Tower Shopping e lá se encontra uma bomba, prestes a explodir, claramente uma repetição do que acontecera antes na novela. Ao que tudo indica, novamente o shopping explodiu, e no caso, matou o próprio casal protagonista — Marta e César (Glória Menezes e Tarcísio Meira), que se encontravam no local! Ou será que era uma bomba falsa? Enfim, um final aberto e misterioso que apenas Sílvio de Abreu seria capaz de nos responder.

VALE TUDO (1989): O final surpreendente de Vale Tudo em 1989, que parou todo o país em plenas férias, naquele 6 de janeiro, foi repleta de cenas marcantes. A começar pela revelação de que Leila (Cássia Kiss), a emergente casada com Marco Aurélio (Reginaldo Faria) era a verdadeira assassina de Odete Roitman, mesmo nada tendo contra ela (Leila disparou a arma acreditando ser Maria de Fátima). Posteriormente, a cena do vilão Marco Aurélio indo embora do país com a esposa e o enteado Bruno (Danton Mello), na qual ele dá uma ‘’banana’’ para o Brasil, fugindo com milhões de dólares; até a boa-vida de Maria de Fátima (Glória Pires) e César (Carlos Alberto Riccelli), que simplesmente não pagaram por nenhum de seus inúmeros crimes. O casal de canalhas aplicava mais um golpe no final da novela, num príncipe vindo diretamente do Reino Unido, claramente bissexual — houve até uma simulação de flerte entre o rapaz e César. Um último capítulo forte, encorajado e inesquecível.

AVENIDA BRASIL (2012): ‘’Avenida Brasil’’, de 2012, teve um final surpreendente. Todo mundo esperava uma grande desgraça para a vilã Carminha (Adriana Esteves) no último capítulo, depois de tanta maldade — incontáveis durante os 179 capítulos. No fim, a grande megera da trama teve uma rápida redenção e se reconciliou com a rival Nina (Débora Falabella). Teve quem se decepcionou com esse desfecho de Carminha, uma personagem tão grandiosa. Houve até quem dissesse que não acreditou na forçada redenção, e que ainda existiam sentimentos de culpa, raiva, ódio e dor dentro do coração das duas protagonistas da novela. Enfim…

PASSIONE (2011): A semana final eletrizante de ‘’Passione’’ deu o que falar naquele janeiro de 2011. Não por acaso, é desta novela a maior audiência registrada na TV nesta década —marca que provavelmente nunca mais será superada — com seus 54 pontos de média. Mas o que surpreendeu a todos mesmo foi o último capítulo, já que Clara (Mariana Ximenes), a psicopata, problemática e assassina vilã da novela simplesmente não teve punição nenhuma. Ela terminou em uma pousada às beiras do Oceano Pacífico na Argentina, cuidando de um senhor de idade, após fugir da cadeia e surrealmente, não ter sido procurada por ninguém. No mínimo corajoso Sílvio de Abreu, que se mostrou expert em finais surpreendentes. Uns dos próximos também é dele:

BELÍSSIMA (2006): Outra novela de Sílvio de Abreu (a terceira na lista). ‘’Belíssima’’, na minha opinião, é a melhor novela dos anos 2000, por unir de forma tão eficaz uma trama policial forte ao romance e ao drama familiar com uma embalagem sofisticada, de uma eficiência impressionante. Como era de se esperar do autor, ‘’Belíssima’’ não escapou de um último capítulo surpreendente. O final começa com Bia Falcão (Fernanda Montenegro) disparando um tiro contra André (Marcello Antony), que falece no hospital, pra desespero de Júlia (Glória Pires), a quem amava de forma complexa. Posteriormente, a vilã encontra Vitória (Cláudia Abreu), a filha enjeitada, que despeja uma série de verdades numa cena antológica: ‘’Eu não quis você quando você nasceu, eu não quero você agora, eu não vou querer você nunca na minha vida’’, ‘’Eu venci você, Bia. A mim, você não destruiu’’. E o que se esperava depois disso? que o delegado Gilberto (Marcos Palmeira) prendesse de vez a odiosa megera. Mas não foi isso o que ocorreu. Bia simplesmente fugiu pra Paris e se hospedou num hotel com o gigolô Mateus (Cauã Reymond) e terminou rica, realizada e com um garoto de programa do lado. Mesmo sendo um desfecho vítima de críticas — ninguém foi em busca da vilã e o destino dela (Paris) era um local praticamente facílimo de se descobrir a identidade de Bia — não se deve negar: o último capítulo de ‘’Belíssima’’ foi uma surpresa

VERDADES SECRETAS (2015): A última da lista, e uma das mais recentes. Impactante do início ao fim, o desfecho de ‘’Verdades Secretas’’ mostrou muita coragem por parte do autor. Inicia-se com o suicídio de Carolina (Drica Moraes) após flagrar a própria filha com o marido Alex (Rodrigo Lombardi), seguindo-se à morte do mesmo pela própria Angel, que mobilizou a todos, e encerrando-se com o casamento dela com Gui (Gabriel Leone) — se fazendo de vítima. Chocante do início ao fim o final, que não por acaso, marcou excelente audiência — 25 pontos de média — encerrando-se nada mais nada menos que à 1h da manhã. Excelente encerramento de uma trajetória cheia de mistério e intrigas.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.