Ainda bem

Ninguém quis abrir mão. 
Eu cheia de dúvidas, você cheio de certezas.
Foi assim que começou.

Foi um dia desses que você insistiu por semanas e eu deixei de lado meus sentimentos já vencidos de outra pessoa e aceitei tomar uma cerveja contigo. Uma cerveja que não passou de duas, mas que rendeu confissões sobre nosso passado e planos para o futuro. Eu fiquei um pouco bêbada, confesso, mas você sabe que estou sempre um pouco bêbada. Ainda lembro aquela vez que você acordou cheirando meu pescoço e sussurrando como se fosse maravilhoso o meu cheiro de cerveja.

Lembra quando você falou como eu devia ser uma péssima namorada? Eu queria te provar o contrário, uma pena que não estava pronta para isso. Queria ver sua cara ao te contar que até mesmo minha mãe, que insiste em dizer que não quero nada com ninguém, dessa vez percebeu antes de mim o quanto eu queria te conhecer um pouco mais.

Mas aí o seu riso solto sobre meus defeitos viraram vômitos de acusações na minha cara. Nossa amizade se perdeu na frente da minha casa, naquele instante que encostamos nossos lábios. Seu nervosismo era real. Meu eu-etílico não me deixou ser generosa como achava que você merecia.

E mesmo assim eu deixei pra lá. Deixei pra lá assim como todas as vezes em que você queria me ver e eu tinha um compromisso bobo inadiável. Meus “nãos” não pareciam grande coisa. Meus “não” te afastavam e eu nem mesmo percebia. Me perguntei por um tempo como eu pude negar tanto, sabe? É, eu sei que você se perguntava o mesmo.

Você disse “Vamos ser amigos, é menos complicado”, ouvi na quinta-feira. “Você tem razão”, concordei, mas voltei atrás na sexta-feira.

Viu como é plausível mudar de ideia da noite para o dia?

Você podia ter acreditado quando eu dizia que queria ir à praia com você, mesmo odiando o calor que vem com o sábado. Acreditado nos meus abraços ao acordar ao seu lado, acreditado quando eu disse que queria ficar com você. Acreditado em todos os clichês. Acreditado que foi da noite pro dia eu me apaixonei por você.

Eu cheia de certezas, você cheio de dúvidas.
Ninguém quis abrir mão. Foi assim que terminou.

Like what you read? Give Eu, tu e a Bia a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.