Image for post
Image for post

Puxou-a pela mão como Helena,
a fez suspirar como Teresa,
e foram se reconhecer num mundo de Marias.

Vanessa Reis


Image for post
Image for post

Aceitaria as palavras
que simplesmente não sabem dizer.

E me perderia na imensidão do sentir.

Vanessa Reis


Image for post
Image for post

Que não cabe em minhas partes.
Vanessa Reis


Image for post
Image for post

Glória é uma mulher forte. Letras rígidas, mãos firmes, braços longos, ombros largos, pescoço comprido, lábios densos, nariz arrebitado, olhos castanhos, testa sem sinais, cabelos esvoaçantes.

Glória tem o caminhar altivo.

Pés equilibrados, pernas entrelaçadas, quadril despudorado, cintura esculpida, busto apontando para o céu.

Glória nunca olha para o lado. Sempre em frente, encara, se mostra, procura. Nunca perde. Esquece, deixa pra lá, enjoa, ignora.

Glória economiza gestos. Cumprimenta, acena, lixa as unhas, mexe nos cabelos, mordisca os lábios, coça a ponta do nariz, ajeita o casaco, limpa a maquiagem borrada, abre portas, fecha portas, abre janelas, fecha janelas, abre torneiras, fecha torneiras, arruma o travesseiro, fecha os olhos, dobra os lençóis, vê o relógio. …


Image for post
Image for post

Sucumbiu ao desamparo; pegou o ônibus de itinerário sem fim. Voltas e voltas, idas e vindas cruzando transversalmente a cidade feia.

Perdeu o dia de trabalho.

Perdeu-o dias depois por justa causa; nem se importava. Sua energia era gasta com o porquinho-da-índia que não saía debaixo do fogão. Comprou o bichano depois de ler Bandeira, esquecido por alguém em um banco do metrô.

É uma pessoa gentil. Por muitas e muitas vezes, trapaceou, puxou o tapete, praguejou, furtou cinzeiros em restaurantes e tolhas em hotéis. Já alimentou a inveja, a raiva, o ciúme, o amor, a amizade, o desejo. É um humano qualquer. Não acredita nessas besteiras de rasteira da vida, vingança divina, castigo de Deus, culpa do sedentarismo ou depressão. …


Image for post
Image for post

Como você se chama? Eu me chamo árvore, mas posso me chamar pássaro, posso me chamar orgão, xuxa posso me chamar? onde você nasceu? eu nasci longe, num lugar sem nome, nem nasci ainda. qual é a sua cor? cor de burro quando foge, cor de flor, cor de estrume, furta-cor, flicts. qual é o seu sexo? homem, mulher, homem, homem, mulher, momem, hulher…é o mesmo sexo do espírito santo….amém. o que você mais gosta de comer? luz, e você? algodão, e você? silêncio, e você? chorume, e você? o que você faz? eu não sou o que faço. ou sou?…afinal, quem é você? afinal, quem sou eu? afinal, quem é você? afinal, quem somos eu? para onde você vai? não vou já fui aonde estou indo, e você? eu vim do lugar sem nome. lembra?

Vanessa Reis

Vanessa Reis

Get the Medium app