Habito olímpico — Entenda como Michael Phelps faz sua magica.

Qual é a estrategia do cara que faz parecer que uma medalha olímpica é extremamente fácil de se obter.

Se você assiste olimpíadas desde a de Atenas sabe que um cara sozinho ganha mais medalhas do que a maioria dos países juntos. Não só isso, ele quebra recordes e mostra o mundo que existe algo ali, um habito olímpico grandioso.

Habito olímpico.

Muito antes de participar das olimpíadas, o michaelzinho já repetia a mesma rotina que fazia em todas as provas. Chegava com 2 horas antes da prova. Se alongava e relaxava. Após isso ele fazia 800 metros de nado medley, 50 de nado livre, 600 só batendo os pés, 400 com a boia entre as pernas e etc. Colocava os fones de ouvido e se sentava na mesa de massagem.

Faltando 45 minutos para competição, ele se vestia. Trinta minutos e entrava na piscina de aquecimento, para nadar 600 a 800 metros. Restando 10 minutos, ele ficava na sala de espera. Ficava lá sozinho, focado. Deixava duas cadeiras próximas, um para o óculos e outra para a toalha. Quando chegava a hora, ele andava até os blocos de largada. Fazia o de sempre, 2 alongamentos com as pernas esticadas, depois com joelho dobrado. Perna esquerda antes, sempre. Então tirava o fone direito. Quando chamava seu nome, tirava o esquerdo. Subia no bloco de largada sempre pela esquerda. Secando ele sempre. Depois girava os braços para que as mãos bata nas próprias costas.

Essa é a rotina que o treinador dele elaborou, e que é seguida em toda sua vida. Mas isso não é tudo.

Ele também mando para michelzinho um roteiro que ele deveria pensar quando fosse dormi e acordar. Codinome “assistir ao video”, que era simplesmente o vídeo da prova perfeita. Com detalhes, e em câmera lenta. Ele via cada momento, cada braçada, até a saída da piscina com a vitoria estampada na cara do competidor.

E ele não fazia isso de vez em quando. Fazia isso sempre. todos os dias, antes de dormi e depois de acordar, durante anos. Em desafio, o treinador dele gritava: “passe o vídeo” e assim Michel passava dos seus limites. Isso duro tanto tempo, que fico profundo na mente dele, algo extremamente forte. Que toda vez quando ele sentia necessidade, ele poderia apertar o play.

Quando ele vai para a competição, ele simplesmente aperta o play, ele entra lá e ativa o verdadeiro habito olímpico. Algo tão poderoso, que escreveu seu nome na historia. Até agora ele obteve 23 medalhas de ouro. Um verdadeiro monstro da disciplina.

Me inspirei nesse relato no livro do Essencialismo, muito boa a leitura.