O pior abandono é o auto abandono…

Minhas dores me ensinaram a ser mais humana e compassiva com a dor do outro. A dor se olhada e acolhida é uma potente alavanca de transformação.

Hoje eu não tenho medo da dor, eu a acolho, em mim e nos outros. Fui uma pessoa que viveu no auto-abandono por muito tempo, que mergulhava suas dores na comida, na obsessiva compulsão de ajudar os outros para não olhar para si mesma. Por mais que me enganasse, porém minha dor não ia embora quando comia um bolo de chocolate ou tentava resolver os problemas dos outros ao invés dos meus, ela na verdade só aumentava.

Hoje eu vejo, não era a dor que estava me machucando, mas a tentativa frustrada de não senti-la através de vários mecanismos de defesa e auto negação que criei e que só me levaram por um caminho mais auto destrutivo.

Hoje fiz as pazes com a minha dor e com minha história, eu a legitimo, sei que é real e parte de quem eu sou, mas não deixo que ela me defina, e tome conta da minha vida.

Com meu trabalho de autoconhecimento e transformação eu vim a perceber que eu posso contar uma história diferente para mim mesma e para o mundo, começando por hoje, por aqui e agora, deixando que a minha alegria transborde de meu ser, sem que isso negue as dores que carreguei e ainda existem em mim. Me permito ser uma peça completa e divina, ao mesmo tempo continuo em transformação. Nada falta, escolho não seguir mais o caminho pela minha perfeição mas sim em minha inteireza, minha completude, me permito abraçar e acolher o meu lado escuro, mas também deixo existir meu lado luz, meu lado alegre, inocente e puro.

Sou uma pessoa simples, gosto de rir de nada, fazer palhaçada, brincar e dançar, amo inspirar as pessoas e me sentir inspirada por elas, sei que sozinhos nada somos. Adoro a sensação de liberdade de quando estou com um cliente e me esqueço da hora, da data, me entrego totalmente ao presente, me afino com outro ser e me coloco a serviço, essa é minha maior meditação e é nesse momento que estou inteiramente presente.

Adoro estudar e viver minha espiritualidade, amo misticismo, eu acredito que no mundo temos inúmeras ferramentas de autoconhecimento e inspiração e o místico atiça meus sentidos, e me faz expandir.

Eu acredito que a auto responsabilidade é o único caminho para a felicidade, já fui uma pessoa que achava que tudo que acontecia na minha vida era culpa dos outros, que eu era uma vítima das circunstâncias, mas quando sai fora dessa visão e comecei a olhar para mim mesma, apesar de inicialmente ter um choque de que minha vida era fruto das minhas próprias escolhas, conscientes ou não… ao mesmo tempo me senti muito livre e empoderada para tomar as rédeas da minha história e vive-la com mais plenitude. E isso não tem preço!

Por isso hoje sou coach de autoconhecimento e cura, eu busco trazer essa perspectiva ao mundo através do meu trabalho, estou recomeçando numa nova fase, após 5 anos no exterior, estudando, me olhando, me conhecendo… e agora estou iniciando novos projetos, não tenho nada definido (o que para uma virginiana pode ser muito tenso), mas estou feliz!!!! E não é só isso mesmo que importa?

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.