Reclame menos, faça mais

Imagem: Thenypost

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), vivemos em um mundo com 7 bilhões de habitantes, espalhados por continentes e áreas que conhecemos como cidades e/ou comunidades. Nelas os seres humanos criam laços, expectativas e também frustrações, motivo este, que faz com que muitos levem a vida de uma forma menos atraente, apenas pensando nos problemas e na prerrogativa: Por que isso tá acontecendo comigo? e assim por diante:

Esse bolo poderia ter uma cobertura de chocolate

Para de fazer isso fulano, não é assim, tem que ser assado

Ai esses caixas do supermercado poderiam ser mais rápidos

Como eu, tão bom no que faço não sou promovido?

Nossa como você demora pra se arrumar hein!

Essa cerveja tinha de estar mais gelada! Que horas vamos beber? Já são 22h

Essa cidade é mesmo muito sem graça. Não tem nada pra fazer!

Oh my God não quero estudar pra prova. As respostas já podem cair do céu?

Assim não dá, não tenho dinheiro nem pra comprar uma bala

Que saco! Quando eu resolvo sair de casa começa a chover

Tem celular pra quê? Nunca atende …

Odeio esperar, odeio!

Viu só? Reclamar é tão fácil, não vamos tornar disto um hábito.

Imagem: Tenorgif

Fazer pelo outro aquilo que gostaríamos que fizéssemos conosco é tão enriquecedor, não custa nada, e você ainda vai estar praticando a empatia.

Geralmente o ato das pessoas reclamarem muito deriva de circunstâncias promovidas pela baixa autoestima e pela incapacidade que pensam ter para realizar algo. E é aí que mora o perigo, pois, muitas doenças graves resultam deste protótipo.

Não vamos longe…

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), um relatório global divulgado em fevereiro deste ano, sobre transtornos mentais traz a informação de que o Brasil ocupa o primeiro lugar como o país mais depressivo da América Latina e fica em quinto lugar no ranking mundial.

Os dados da pesquisa ainda apontam que em 2015 cerca de 322 milhões de pessoas (4,4% da população global) sofriam de transtornos depressivos, das quais mais de 11,5 milhões eram brasileiras, ou seja, 5,8% da população nacional.

Dentre estes números, as mulheres são as principais vítimas de depressão e de outros distúrbios provocados pela depressão, como a ansiedade, síndrome do pânico, transtorno obsessivo-compulsivo, fobias, entre outros.

Então quem reclama muito vai ter depressão? Não, mas reclamar pode ser a porta de entrada para diversos transtornos psicológicos. A depressão é uma doença psiquiátrica que produz a alteração do humor caracterizada por uma tristeza profunda, associada a sentimentos de dor, amargura, ou por algum trauma vivenciado, na maioria das vezes na infância. Porém, é uma doença curável, quando tratada com a colaboração do paciente e com o uso correto dos medicamentos. O que proponho neste texto é colocar as informações a par da população e gerar uma discussão profunda sobre o tema aqui discutido, evidenciando a questão de que os seres humanos precisam estabelecer uma relação harmoniosa entre si, para a sobrevivência da espécie (é isso mesmo! a nossa espécie parece estar ameaçada pela falta de altruísmo com o próximo).

Imagem: Giphy

Somos tão cobrados pela sociedade, que as vezes esquecemos o sentido de ser, pelo fato de que o tempo todo precisamos correr atrás dos melhores resultados, e quando fracassamos nos sentimos impotentes em relação às perspectivas que almejamos.

Então, nesses dias… parece que nada vai dar certo mesmo, que todos os nossos planos foram por água a baixo e que tudo o que resta é sentar, chorar e reclamar (ou se entupir com uma garrafa de vinho barato).

Imagem: Giphy

Tentamos entender o sentido da vida procurando uma resposta, e enquanto ela não vem, nos apegamos às suposições existentes no nosso“eu-interior” para suprir os nossos devaneios.

Mas e por que escrever sobre esse assunto?

Porque atualmente as relações humanas estão desgastadas e nem todo mundo reconhece que é necessário pensar no bem comum. Aí você pode supor que reclamar é o mesmo que criticar, sem saber o real motivo de um e de outro.

Criticar é uma coisa, reclamar é outra bem diferente. Quando você critica, há a intenção de propor algo melhor há alguém, possibilitando que haja uma troca de conhecimentos para ambos os lados. Quando você reclama, não há a mesma interação, pois, dependendo de como a reclamação é feita sempre há um “mal-estar” por parte de quem à recebe.

Lembre-se: Não estou dizendo que você deve parar de reclamar

Reclamações são válidas sim, principalmente quando alguém é lesado ou pela busca de direitos e também por sermos livres para expormos nossas convicções. Mas acredito que amenizando esse nosso “vício” em reclamar de tudo um pouco, a nossa vida se torne menos árdua e mais compreensiva.

Então vamos fazer a diferença! De um jeito ou de outro tudo dá certo. Se ainda não deu é porque não chegou a hora.

Imagem: Thenypost

Afinal, somos 7 bilhões de pessoas no mundo, não vamos deixar o nosso lado “reclamão” tomar conta da nossa vida. Temos que saber (ou tentar) tirar o que há de melhor de todas as situações, por mais adversas que elas possam parecer.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.