Habilidades de Comunicação e Dia em Blocos

Criar um blog é algo que tentei fazer a uns cinco ou seis anos atrás. Demorou uma semana até eu perceber que não tinha nada importante a dizer. Não que eu ache ter muito a dizer hoje em dia, mas dessa vez estou encarando como uma questão de desenvolvimento pessoal.

Sou ilustrador, portanto consigo me expressar de forma gráfica muito bem. No entanto, sempre me achei um fiasco ao me expressar de forma escrita, e tenho quase certeza de que isso também influenciou na minha dificuldade de me comunicar verbalmente. Isso não significa que eu não consiga conversar com as pessoas. Me refiro a expressar minhas ideias com clareza e objetividade.

Esse lado comunicativo sempre foi um desafio pra mim. Sempre o nomeei como timidez mas de uns tempos pra cá comecei a perceber que é simplesmente “falta de prática”. Assim como um ilustrador precisa estudar anatomia frequentemente para poder desenhar um ser humano com excelência, uma pessoa comunicativa precisa se comunicar bastante até atingir um grau significativo de eloquência. Adoro pessoas eloquentes, admiro mesmo! Espero um dia chegar lá. Esse foi o primeiro motivo e o mais pessoal por eu estar escrevendo este texto.

O segundo motivo é profissional. Sendo ilustrador freelancer, possuir a habilidade de se comunicar bem é imprescindível na hora de lidar com clientes.

Já o terceiro motivo é bem simples: eu precisava riscar da lista o tópico “Começar um blog” proposto no final do livro Roube como um Artista, de Austin Kleon (ótima leitura, por sinal). Aliás, preciso riscar várias coisas daquela lista…


Acredito firmemente que facilidade de comunicação não é um dom, assim como habilidades artísticas também não são, embora muitos insistam nesta ideia. Ninguém nasce falando bem, muito menos pintando ou tocando um instrumento de forma exemplar. Isso está relacionado com o que quero abordar na segunda parte deste texto: rotina e disciplina.

Quem já tentou ser disciplinado durante as férias, por exemplo? Difícil né? Você inventa aquele novo projeto e está a um passo de começar quando se viu preso naquela armadilha chamada Tumblr. Ou quando, sem querer, clicou no ícone do Steam e acabou perdendo metade do dia jogando Civilization V. Essas coisas acontecem com todo mundo, infelizmente. Minha meta durante os últimos dez meses vem sendo tornar a minha rotina o mais produtiva possível.


Em setembro de 2015 eu estava saindo de um estágio para focar no meu TCC, começar a trabalhar como freelancer e me dedicar um pouquinho mais aos meus projetos pessoais. Foi um momento muito bom porque eu deixei uma rotina frenética para entrar em outra, só que em casa. Comecei a fazer exercícios físicos todos os dias, estudar francês, estudar desenho, assistir filmes, séries, ler livros e livros, e me divertir um pouco também. Porém, toda essa brincadeira durou apenas uns quatro meses. Aos poucos, tudo foi desandando. Tentei recuperar o ritmo mas foi em vão. O bom disso tudo foi descobrir que cronogramas com horas hiper definidas não funcionam muito bem pra mim.

Durante a segunda tentativa defini horários mais flexíveis para minhas tarefas. Também foi tudo por água abaixo, dessa vez em menos de três semanas. Se teve uma coisa que aprendi com o livro Criatividade S.A., de Ed Catmull foi para “falhar cedo e falhar rápido”. Check.

Ok, depois disso passei por aquela crise dos vinte e poucos, aquela de quando você se forma e se pergunta “o que estou fazendo com a minha vida?”. Como se isso não fosse o suficiente, também veio aquela crise que todo artista tem do “nada que eu faço é bom o suficiente”. As crises se somaram e foi uma calamidade. Se você está na faixa dos vinte e/ou é artista, se prepare que sua hora vai chegar.


Não é fácil mudar os hábitos. Se você tem mania de procrastinar de vez em quando ou cultivar “maus hábitos”, pode ter certeza que existe um “gatilho” pra que você se comporte de tal maneira. O livro O Poder do Hábito, de Charles Duhigg é interessantíssimo para quem quer entender um pouco mais sobre isso. Com ele, aprendi que não se pode mudar os hábitos repentinamente, coisa que eu tentava fazer antes. Essas coisas levam tempo. Então, resolvi bolar uma rotina diferente de tudo que já tentei antes. Vem funcionando pra mim e espero que possa dar uma luz pra alguém que estiver lendo isso, caso esteja passando pelas mesmas dificuldades.

Primeiro de tudo, comecei a acordar cedo. No entanto, isso é relativo, pois algumas pessoas possuem um desempenho melhor durante a noite. Basta definir um horário que seja bom você, além de dormir pelo menos oito horas por dia.

Feito isso, dividi meu dia em três blocos, os quais apelidei carinhosamente de Bloco da Fortuna, Bloco da Ação e Bloco da Sabedoria. A ideia é fazer pelo menos UMA atividade relacionada a cada bloco por dia. Por exemplo: tem algum freela pra fazer? Algum projeto pessoal que quer tocar pra frente? Tem um trabalho fixo? Encaixe no Bloco da Fortuna. O Bloco da Ação tem como principal objetivo desenvolver alguma habilidade prática. No meu caso, essa é a hora em que eu pratico desenho e pintura. Atividades como tocar um instrumento ou praticar esportes também se encaixariam muito bem nessa categoria. Durante o terceiro bloco, o da Sabedoria, a intenção é ficar mais inteligente e aumentar o repertório cultural. É nesse momento que leio livros e artigos, assisto a filmes, séries, videos interessantes (videos de gatinhos não valem).

Conseguindo completar ao menos uma atividade para cada bloco, você pode adicionar novas atividades ou simplesmente aumentar a carga delas com o tempo. A ideia aqui é começar com o mínimo de esforço possível pra não haver desculpas de “não deu pra fazer isso hoje”.

Pra quem leu até aqui, lhe parabenizo pela paciência. Como eu disse no começo, a ideia disso tudo é treinar meu lado comunicativo e de clareza de ideias. Não pretendo escrever aqui periodicamente. Espero, quem sabe, ter ajudado alguém!