Empresas novas sim, sem assessoria de RH jamais!

Para que serve um RH numa startup?

O desempenho do seu time…

Você já se perguntou como se pode motivar um subordinado? Como é que você consegue fazer as pessoas trabalharem para o bem do grupo e da empresa?

Uma visão simplificada que muitas vezes inocentemente praticamos é a de que basta pagar o salário combinado que o máximo do desempenho será executado. Só que as pessoas não são robôs, e a remuneração financeira acaba garantindo a disponibilidade do funcionário nas horas combinadas e nada muito mais do que isso.

O desempenho do funcionário acaba sendo regido muito mais pelos desafios e oportunidades, tanto profissionais e como de vida oferecidos pelo emprego.

E o pior é que se o desempenho cai a empresa acaba avaliando se mantém o funcionário, da mesma forma se o desempenho percebido pelo funcionário for aquém do que ele acredita ser possível ele achará um empregador que ofereça esta possibilidade.

Fica claro que existe uma gestão importante aqui para ser executada na empresa: como é que podemos fabricar um ambiente que potencialize o desempenho das pessoas?

Uma empresa grande já teve uma história de sucesso e acabou desenvolvendo uma determinada cultura, práticas e espaços que potencializaram pessoas no passado e que devem estar sendo no mínimo mantidas para suportar a evolução da empresa.

Mas e uma empresa nova? Mal existe o espaço compartilhado, não existe a cultura nem as práticas para isso, como é que faz?

O dilema de investir em pessoas…

Uma forma de tocar é aos trancos e barrancos. Coloca as pessoas dentro e deixa elas brigando, se queimando e eventualmente pedindo as contas até que, por um acaso do destino, uma certa maturidade de gestão humana acaba surgindo.

A outra maneira é o uso de uma assessoria: trazer uma pessoa com experiência que pode ajudar a organizar um mínimo de gestão das pessoas.

Não há nenhum demérito em buscar ajuda para isso, na realidade é muito melhor delegar esta atividade para alguém experiente e liberar o tempo dos novos empresários para os focos principais de um novo negócio: o produto e o mercado.

E no final o custo desta assessoria acaba desaparecendo… As ações implementadas com o devido método e persistência se pagam evitando a desmotivação e a perda das pessoas para o mercado.

O trabalho a ser feito

E o que são estes métodos para a gestão de pessoas? São basicamente quatro grandes grupos:

  1. A entrada de funcionários: É importante colocar pessoas que se encaixam e que ajudam, e evitar colocar gente abaixo do padrão do time para não degradar o grupo todo.
  2. Racionalidade de remunerações e cargos: As pessoas entendem claramente que a hierarquia e a remuneração são feedbacks diretos a respeito de como a empresa os vê. Parece pequeno mas não é, o gerenciamento das expectativas das pessoas com respeito a isso é uma das principais ferramentas para governar o envolvimento das pessoas.
  3. Análise de deficiências e potenciais das pessoas: Olhando para a frente como é que podemos alocar estas pessoas de forma mais inteligente? Quais são os pontos fracos delas hoje que poderíamos trabalhar para fabricar este futuro?
  4. Medição do ambiente: No final vamos precisar saber se as ações estão dando resultado, ou se eventualmente existe algum problema ainda desconhecido que poderia ser tratado. O que não se mede não se gerencia.

E então? Sua empresa é do grupo dos “trancos e barrancos” ou está se organizando para ter um time para “ganhar o mundo”?

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.