O futuro do presente.

Ou como atravessar o portal do tempo.

A complexidade absurda do mundo contemporâneo, com sua velocidade quântica, superficialidade crônica e urgência hiper-tecnológica, está nos roubando o passado e o futuro e nos jogando eternamente no presente.

Até parece que os deuses do tempo, Cronos (regente do tempo linear) e Kairós (regente do tempo das coisas), cansados de nos ensinar a meditar para ficarmos “zens”, resolveram se fundir numa parceria estratégica e montaram um circo atemporal onde o único jeito de sobrevivermos, advinha só, é vivermos integralmente fora do tempo, ou seja, no presente.

O futuro e o passado estão embutidos no agora e nós estamos todos irremediavelmente encapsulados na nave mãe do presente, e é dele que teremos que absorver os conhecimentos, estratégias, ações e direções para continuar nossa jornada evolutiva.

É à partir do presente que daremos o salto que transcende as dualidades, polaridades e paradoxos que limitam nossa percepção, nos prendem no chão da mesmice e travam nossa ação criativa e corajosa.

É à partir do presente que encontraremos a compreensão para nossas pessoinhas perdidas e o significado de nossas vidinhas confusas.

É à partir do presente que iremos curar feridas, transmutar energias e mudar padrões de pensamento, sentimento e comportamento.

É à partir do presente que construiremos as novas bases, os novos softwares, os novos paradigmas que irão modelar o presente no amanhã e no depois do amanhã.

O presente é o presente dos deuses, é tudo o que temos, é tudo o que precisamos, é o portal para o passado e para o futuro.

Fabio Novo

www.holoplex.org

26/3/15