South by Southwest: dicas para aproveitar ao máximo o maior festival de conteúdo do mundo

O South by Southwest é um dos maiores eventos do mundo de… bom, na verdade, esse é um dos charmes do ‘’South by”: ninguém sabe exatamente do que ele é. Oficialmente, cobre cinema, música, tecnologia, tendências, educação, games, esportes. Mas tem também a parte social: festas, bebidas, networking e tudo mais que você imaginar.

Austin Convention Center preparado para o South by Southwest — o SxSW (Foto: Fabricio Vitorino)

Com essa descrição caótica — ou mesmo essa ‘’não-descrição” — montar uma agenda com tudo o que se quer ver acaba sendo uma missão impossível. São cerca de 50 sessões a cada hora em seis janelas, começando 9h30, 11h, 12h30, 14, 15h30 e 17h. Ou seja, no barato, você vai ter que decidir entre 300 eventos por dia. Com alguma disposição extra, dá para ver cinco sessões. Num dia de performance olímpica, é possível ver seis. Mas, na verdade, quatro já é plenamente satisfatório, enquanto três é algo para justificar o investimento.

Em 2016, fiz um guia com dicas para o South by Southwest: como aproveitar bem o evento e não sofrer muito com a FoMO (fear of missing out, ou medo de estar perdendo algo). Em 2017, meu segundo ano por lá, o planejamento foi melhor, a expectativa, mais alta, e o evento, maior. Uma combinação explosiva. Assim, consegui fazer uma minicobertura para o G1, falando da invasão de empresas brasileiras no SxSW, das startups mais legais do SxSW, negando o boato de South by Southwest no Brasil e um resumo das tendências do SxSW 2017.

É impossível ver todas as palestras que você quer. Por isso, planeje-se. E dê um jeito de curtir as filas (Foto: Fabricio Vitorino)

Seja qual for sua praia (Edu, Interactive, Film ou Music), planeje-se para chegar ao menos na véspera do início do evento. É preciso calma para pegar a credencial, conhecer Austin e pesquisar a dinâmica do evento. A montagem da agenda começa na plataforma SxSW GO. No app ou no site, é possível navegar por todas as atrações e favoritar as preferidas.

Fique de olho também nos emails, grupos de WhatsApp/Telegram/Facebook e nas dicas dos amigos: festas, eventos de relacionamento, demonstrações ou convites de papo são frequentes, e um olhar mais relapso pode significar uma entrevista, um negócio ou mesmo um papo perdido.

O evento é de ‘’tiro”, ou seja, quando você perceber, já acabou. Então, planejamento é tudo. Ficar em todas as sessões significa pouco bate-papo, ao passo que uma vida boêmia compromete a atenção nas palestras. O deslocamento entre hotéis e locais de evento também é mortal: fique de olho na sua agenda e procure evitar grandes caminhadas.

O sinal mais temido do SxSW: ‘Sala cheia. Entrada proibida’ (Foto: Fabricio Vitorino)

Mas o pior, o fim, o lamentável, o fato que baixa a moral da tropa, o apocalipse, é mesmo ser barrado na porta das sessões, painéis, workshops e mentorings. Mesmo com reserva, sua vaga não está garantida. Em eventos muito concorridos, as filas são épicas. E, uma vez lotada, acabou. Por isso, planejamento para chegar cedo é a garantia do sucesso. Ainda que você precise sacrificar um evento para isso.

Então, resumindo todo o blá-blá-blá aí de cima, deixo minhas cinco-dicas-turbinadas-versão-2.0 para um South by Southwest nota 10.

  • Quatro eventos por dia é a média. Mas prepare sempre plano B e plano C;
  • Chegue um dia antes do início (ou mais). Entre nos grupos de SxSW e veja os emails (mas veja MESMO!);
  • Maneirar nas festas e eventos sociais. Dormir é preciso e, nos eventos, ficar atento aos insights e às oportunidades de networking é fundamental!
  • Evitar grandes deslocamentos entre as sessões. Meia hora é pouco;
  • Chegue cedo aos eventos com nomes conhecidos. Para celebridades, 1h30. Para grandes nomes do mercado, 30 minutos no mínimo. As filas podem ser longas e as salas lotam. Ser barrado é momento mais triste da vida de alguém no SxSW.

E, no próximo texto, já vou falar da principal tendência do South by Southwest: a humanização do conteúdo.

* Fabrício está no Twitter, no Instagram e no LinkedIn. Aparece lá!