Hinds no Sesc Pompeia, 20/10/2017

“É bem curioso e divertido observar a máscara blasé do público hipster paulistano cair, revelando uma plateia carente e eufórica recebendo aos berros o canadense e sua banda excêntrica” escreveu uma vez o cantor d’O Terno e artista solo Tim Bernardes para o Estadão em 2015, resenhando sobre o show que presenciou do Mac DeMarco em São Paulo. Pois bem, foi muito semelhante com o que eu senti no show das Hinds, banda madrilenha composta por 4 chicas: Carlotta e Ana García, as guitarristas, vocalistas e fundadoras da banda, Ade no baixo e Amber na bateria.

A banda, que fez seu primeiro show na América do Sul nessa sexta-feira que não sabia se chovia ou não, faz aquele indie rock que as vezes pende para o pop, as vezes fica garageiro com duas guitarras pouco encaixadas entre si mas que fazem toda a diferença. Da para perceber as inspirações rebeldes evidentes de Strokes, Arctic Monkeys e, principalmente, em Libertines e no ja citado Mac DeMarco. Nos primeiros muito em função das músicas em que ocorre uma divisão dos vocais que se encaixam perfeitamente, e no segundo muito pelo carisma absurdo (caras, bocas e gestos ensaiados entre as comandates dos instrumentos de cordas, as vocalistas começavam falando uma frase em espanhol e terminavam em inglês, gritaram várias vezes “amulek!!”, falaram como estavam gostando de São Paulo e até desafiaram a gente a dançar mais porque parecia que não estavamos honrando a nossa tradição), as canções simples e bonitas com o astral totalmente para cima!

Essa mistura somada aos fervorosos fãs fizeram qualquer possível clima “blasé”, muito comum do indie brasileiro, cair por terra. Um clima jugando con mis amigas e entregando música boa para a platéia é de se tirar o chapéu. E ainda foram favorecidas pelo fato de ser na comedoria do Sesc Pompeia, um lugar excelente para fazer essa conexão artista-fã.

O show em si, que teve suas vendas online esgotadas em apenas 15 minutos quando abriram (depois foram reabertas, ai consegui comprar meu ingresso), contou com todos os “pequenos” hits do primeiro álbum, Leave Me Alone (2016): Garden, Fat Calmed Kiddos, Easy, Castigadas En El Granero, entre outras, além do incrível cover Davey Crockett, da banda Thee Headcoatees. Ainda tivemos tempo de ouvir uma canção que estará no novo álbum da banda, a ser lançado em 2018, em que a Ana pediu para não repararmos por estar pouco ensaiado… Olha, ninguem reparou mesmo, manda mais a propósito!

Ao fim da apresentação, que durou pouco mais de 1 hora, disseram nosotras estaremos de vuelta aquí muy pronto. Estamos esperando ansiosos já, Ane! A banda volta a se apresentar em solo brasileiro sábado em Recife no festival No Ar Coquetel Molotov, ao lado de atrações como Arnaldo Baptista, Linn da Quebrada, O Terno, já citado, e os norte-americanos do DIIV.

Easy Ao Vivo: https://youtu.be/uXKJFSVJ72E

Música Nova Ao Vivo: https://youtu.be/okO6HZwJDXo