O que eu aprendi vindo de um lugar onde nunca pedem desculpas.

As desculpas são palavras que podem ser usadas para vários fins. Porém por trás desses fins existem os interesses. Alguns dizem que por serem só palavras não significam de verdade que quem as dizem estejam arrependidos do que disseram ou fizeram. Às vezes as cometem para amenizar a situação e tudo voltar ao que era antes. De onde venho as pessoas reconhecem tanto o que são que não perdem mais o tempo se desculpando. A auto consciência da vaidade já dominou a um ponto de saber que se disserem desculpas não serão verdadeiras porque não sentem isso realmente. Outras pessoas preferem as desculpas em ações. Nas referências ocidentais as desculpas são usadas e romantizadas em várias formas de arrumar o que foi corrompido. Já nas orientais as desculpas como a ultima da última cartada, pois o que prevalece é o orgulho, espírito, alma. Seja lá qual desculpa for arranjada para não pedir desculpas esse é um assunto que rende. Todo mundo tem um significado do que é, como fazer e para que usar. É possível reconhecer como nosso auto centramento é percebido pelo que fazemos. “O que eu ganharei pendindo desculpas?”, “Do que adiantará?”, “Essa pessoa pediria para mim se fosse ao contrário a situação?” começa uma série daquelas perguntas “De onde viemos?”, “Para onde vamos?”. Fui procurar os vários significados da palavra desculpas e dei profundas gargalhadas. Mas o que mais me chamou a atenção foi o que tem a ver com um pretexto, um apelo, a fim de uma absolvição, o tal do limpar a consciência a qual nos devemos explicações. Também tem a ver com perdão. O maldito. A gente cresce com as pessoas dizendo que guardar rancor é ruim, que nós precisamos deixar ir, apagar, nos livrarmos para que não alimentemos o monstro que fará mal a nós mesmos. Ainda não tinha entendido de forma bem orgânica o que era passar por uma situação em que fosse gerada o rancor e consequentemente, o tal do perdão. É difícil de conseguir perdoar o que nos é feito de sacanagem, porque a gente perdeu o controle e nossa auto defesa e estima foram corrompidas. É tudo que a gente tem. O mundo é cheio de ódio. Nenhuma novidade até aí. Nessa tentativa de tentar entender como proceder, vou tentando improvisar e prestar atenção no que faço e no que os outos fazem para entender qual é a do mundo. Tá bem nebuloso até agora. Não entendi nada de nada sobre as desculpas e porque esse fenômeno acontece e até agora foi bem aceito.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Rafaela’s story.