Ainda.

Ainda bem que você se foi. Ainda bem que suas mãos aos poucos escaparam das minhas e o frio da solidão me acolheu. Ainda bem que eu decidi partir em busca de encontrar a mim mesmo. Ainda bem que eu decidi cuidar do meu coração desgastado pelo seu amor doentio que me prendia. Aos poucos minha órbita parou de seguir em torno da sua galáxia, e eu deixei de ser planeta pra me tornar um cometa, viajando pela escuridão do mundo. Ainda bem que você me esqueceu. Ainda bem que encontrou seu caminho sozinho. Ainda bem que deixei de ser seu fardo pesado e que a leveza de suas mãos pousaram sobre outra face. Ainda bem. Ainda bem que eu fui, não me arrependo mais, não sinto mais resquícios de sua personalidade em mim. Ainda bem.
Ainda bem que eu encontrei você. Ainda bem que meu cometa mortal colidiu com seu universo repleto de amor e carinho. Ainda bem que meus olhos grudaram aos seus, e suas mãos encontraram as minhas tateando um caminho no meio do nada. Ainda bem que a luz do seu sorriso iluminou meus dias, como se abrisse uma janela ensolarada num dia frio de inverno. Ainda bem que eu pude ouvir sua voz em meio ao ruído. Ainda bem que deu tempo. Ainda bem que temos tempo, e eu desejo esse tempo cada vez mais lento, para eu poder sentir toda a sua aura pura. Ainda bem. Ainda bem que você entrou em mim como uma nuvem suave de calor e brandura, acalmando meus demônios. Ainda bem que agora você está aqui, meus dias estão completos.
Ainda bem.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.