Giovanni entra, Valdívia entra, Giovanni sai

Corinthians, Inter e Copa do Brasil: ótimas lembranças para o time paulista e péssimo para o argentino

Quem assistiu ao jogo Internacional e Corinthians de ontem (12 de abril), com certeza desligou a TV com a impressão de ter visto uma bela partida de futebol. E foi mesmo. Digna de uma cervejinha gelada e alguns amendoins jogados pela mesa.

Nas últimas semanas, as diretorias de ambas as equipes protagonizaram um momento, digamos, um tanto quanto embaraçoso, aumentando ainda mais a rivalidade já grande entre as duas equipes. A troca entre o meia Giovanni Augusto e o atacante Valdívia — não aquele — parecia certa até que, aparentemente, o meia corinthiano se negou a ir para Porto Alegre e baixou o Dom Pedro, dizendo a todos que FICO.

“Se é pelo bem geral da nação, eu digo que fico.” AUGUSTO, Giovanni

Os dois de certa maneira chamavam a atenção como personagens do jogo. Porém, devido à uma disputada partida, ficaram como meros coadjuvantes. Ambos entraram apenas no segundo tempo, quando o jogo estava quente.

Foram chances para ambos os lados com belas defesas de Cássio e Marcelo Lomba. O goleiro corinthiano, inclusive, mostrou que evoluiu muito para o ano de 2017 e está em uma forma que valida sua titularidade.

Jogar no Beira-Rio não é fácil. A torcida faz uma certa pressão. O jogo foi corrido, foi bom. Esteve aberto durante todo o segundo tempo. Os jogadores se doaram e no final era possível ver um Rodriguinho exaurido saindo de campo. O Corinthians mostrou que ainda tem muitos problemas no ataque e sem dúvidas, os erros de passe chamam a atenção. Muitos contra-ataques foram quebrados por passes bobos dos meias e pontas do time. O gol corinthiano ficou por conta de Romero. Criticado pela torcida, motivo de zombaria de comentaristas mas o garoto sempre está lá, correndo pela camisa. Sua técnica e qualidade são discutíveis, mas sua raça e entrega, não.

Romero faz mais um gol, cê acredita?

O Corinthians de Carille mostra que não é o Corinthians de Tite — distante de 2015 e talvez um pouco mais perto de 2012. Mas também não é o Corinthians de Oswaldo ou Cristóvão. O time se comporta bem na defesa — Pablo agregou muito ao futebol do Balbuena- mas ainda tem problemas no ataque. Falta um atacante matador que resolva. Quem sabe chega um para o Brasileirão. Precisa.

Quanto aos personagens do jogo, Valdívia entrou no segundo tempo e fez um bom lance em cima do Fagner. Mas parou aí. Não produziu nada de grandioso e não evitou o empate em casa.

Já Giovanni Augusto teve uma atuação decepcionante — não para a torcida, que já não espera nada mesmo. Após um belo passe de Rodriguinho, Giovanni de maneira displicente e desconcentrada chutou em cima de Marcelo Lomba. É bem verdade que foi uma boa defesa do goleiro colorado, porém o corinthiano ajudou, e muito. Para piorar, Giovanni saiu machucado, pouco tempo depois, queimando uma substituição de Carille no jogo.

Giovanni Augusto mais uma fez faz falta. Falta de atenção, concentração, habilidade e vontade.

O próximo jogo do Corinthians é no domingo (16) contra o São Paulo, no Morumbi, pela semifinal do Campeonato Paulista. Inter e Corinthians voltam a se enfrentar na próxima semana, dia 20, na Arena Corinthians. O Clube traz uma boa vantagem para casa e se levar essa será que teremos mais uma do “maluco do telão”? É só aguardar.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.